12 de julho de 2020 Atualizado 20:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Juiz permite reabertura de loja da Kacyumara em Americana

Unidade na Avenida Afonso Pansan retoma vendas presenciais nesta quarta-feira; magistrado é o mesmo que liberou a abertura da Primicia e da Ford Caminho

Por André Rossi

26 Maio 2020 às 19:57 • Última atualização 27 Maio 2020 às 12:44

Loja da Kacyumara foi autorizada a reabrir pela Justiça, por meio de uma decisão liminar - Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

O juiz da 4ª Vara Cível de Americana, Gilberto Vasconcelos Pereira Neto, concedeu nesta terça-feira (26) uma liminar (decisão provisória) para que a Kacyumara reabra a sua unidade matriz, localizada na Avenida Afonso Pansan, na Vila Bertini.

A loja é especializada na venda de artigos para cama, mesa e banho e não se enquadra entre os comércios considerados “essenciais”, segundo parâmetros definidos pelo Governo do Estado de São Paulo.

A empresa também entrou com ações para tentar reabrir as suas filiais no Centro durante a quarentena de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Ambos os pedidos ainda não foram apreciados.

O juiz Gilberto Vasconcelos Pereira Neto é o mesmo que autorizou na última quarta-feira (20) a Primicia a reabrir sua loja na Rua Doze de Novembro, no Centro. Antes disso, em 15 de maio, ele também permitiu que a concessionária Ford Caminho retomasse o atendimento presencial.

A justificativa no caso da Kacyumara é a mesma dos processos envolvendo os outros lojistas: o risco de que o fechamento dos estabelecimentos por longo período poderia causar um problema “tão grave quanto a pandemia, que é a falta de dinheiro”.

“Estamos caminhando para mais de dois meses de isolamento social, sem que exista um planejamento de retorno às atividades, sufocando a população economicamente”, ponderou o magistrado na decisão.

Na liminar, o juiz estipula multa de R$ 10 mil caso a prefeitura notifique a loja e penalidade de R$ 70 mil caso o estabelecimento seja fechado. A ação foi movida contra o Governo Omar por conta do decreto de quarentena, que segue os parâmetros definidos pelo governador João Doria (PSDB).

A loja terá de seguir normas de higienização, evitar aglomerações no local e exigir o uso de máscaras pelos clientes e funcionários. A unidade reabre as portas nesta quarta-feira (27).

De acordo com a gerente financeira da loja, Vanessa Panfilio Almeida Pompermayer, a expectativa para a retomada é de que as vendas fiquem de 20% a 30% abaixo do que era registrado antes da pandemia.

“A gente acha que ainda vai continuar com uma queda. Estávamos atendendo delivery e vendendo muito pouco em relação a uma loja com portas abertas. Também estávamos fazendo vendas por WhatsApp, que é uma venda bem complexa e com faturamento bem menor do que uma loja aberta”, comentou Vanessa.

Questionada, a prefeitura reforçou apenas “que não é autora de restrição de funcionamento destes estabelecimentos, mas sim o Governo do Estado”.