25 de julho de 2021 Atualizado 12:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

HM de Americana aluga mais seis respiradores para atendimento Covid-19

Locação ocorre após a constatação de problemas nos 12 equipamentos comprados com recurso da câmara

Por Marina Zanaki

22 jul 2021 às 20:24 • Última atualização 22 jul 2021 às 20:25

A Fusame (Fundação Saúde de Americana), que administra o Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, firmou contrato para alugar mais seis respiradores que serão usados no atendimento de pacientes com Covid-19.

A locação ocorre após a constatação de problemas nos 12 equipamentos comprados com recurso da câmara, alvo de sindicância interna e investigação do Ministério Público. A prefeitura disse que notificou a empresa que forneceu esses respiradores para arcar com a locação firmada agora.

Respiradores comprados com recursos da CM apresentaram problemas – Foto: Divulgação – Prefeitura de Americana

O contrato para o aluguel é de três meses terá custo de R$ 117 mil. A empresa contratada é a First Medical. A prefeitura explicou que esse novo contrato foi firmado como forma de garantir que, diante de um eventual crescimento na demanda, não ocorra falta de aparelhos.

A locação emergencial foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo nesta quinta-feira.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

TERCEIRIZADA
A Fusame renovou por mais 30 dias o contrato com a SBCD (Sociedade Beneficente Caminho de Damasco), que fornece profissionais de saúde para atendimento Covid no HM. O contrato tem valor de R$ 2,3 milhões.

A terceirizada foi admitida emergencialmente em abril deste ano, após a prestadora Hygea decidir não renovar o contrato que mantinha com o hospital.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Questionada se pretende seguir com as prorrogações mensais, ou estuda firmar algum outro contrato, seja com a própria empresa, seja por meio de outras modalidades, a Fusame disse que uma portaria do Ministério da Saúde autoriza apenas contratos por tempo determinado.

O órgão não especificou essa publicação da pasta federal, e informou que não conseguiria levantar quanto foi pago à SBCD nesta quinta-feira.

Publicidade