01 de dezembro de 2020 Atualizado 10:50

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Problema

Entregas se acumulam mesmo com mutirões dos Correios

Sindicalista estima que até o final de semana encomendas estarão normais, mas correspondências irão demorar

Por Marina Zanaki

29 out 2020 às 09:04

Um mês após o fim da greve dos Correios e mesmo com a realização de mutirões e horas extras, as correspondências e encomendas se acumulam em Americana. O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios credita a persistência à falta de funcionários.

A empresa informou apenas que lamenta o acúmulo e que está adotando medidas para solucionar o caso.

Um comerciante da Vila Mollon, em Americana, relatou ter recebido esta semana em seu estabelecimento uma correspondência com data do mês de junho. A casa onde mora, no Centro, também está com atrasos de meses no recebimento de contas. Ele não quis se identificar.

Mutirões são realizados pelos Correios, mas ainda existe atraso para normalizar a situação – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Dirigente sindical de Americana, Luciano Zubinha Pires estima que até o final desta semana a entrega de encomendas será normalizada na cidade. Contudo, ele não soube dizer a previsão para normalizar a entrega de correspondências.

O sindicalista contou que os funcionários têm realizado mutirões todos os finais de semana e trabalhado além do horário regular para escoamento das encomendas e postais. Luciano avalia que o acúmulo que ocorreu durante os 35 dias de greve dos funcionários agravou o problema já que existiam atrasos nas entregas, ligado à falta de trabalhadores.

O dirigente calcula que o déficit de funcionários na cidade seja de 35 carteiros – atualmente, são cerca de 80 funcionários, entre os setores de encomendas e postal.

“Queremos prestar um bom serviço, mas sem funcionários suficientes isso é inviável. O último concurso foi entre 2010, 2011. Olha o quanto a cidade cresceu, o comércio pela internet. Os Correios são o maior operador logístico do País, mas sem estrutura. Eles tiram funcionários da área de postal para as encomendas. Estão sucateando para vender”, disse Luciano, que trabalha como motorista na entrega de encomendas.

Os Correios negaram favorecimento de qualquer serviço. Sobre o acúmulo, eles afirmaram que estão contratando mão de obra temporária – informação negada pelo sindicato na cidade – e fazendo os mutirões. A empresa ressaltou que podem ocorrer atrasos pontuais em função da redução na força de trabalho durante a pandemia, após redirecionar alguns trabalhadores.

Publicidade