23 de janeiro de 2021 Atualizado 08:20

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

DIG identifica morador que furtava bicicletas do próprio condomínio em Americana

Câmeras de segurança flagraram o homem de 32 anos, que responderá em liberdade; oito bicicletas de alto valor foram furtadas

Por André Rossi

11 jan 2021 às 18:41 • Última atualização 12 jan 2021 às 14:55

O homem confessou os crimes na presença do advogado e foi indiciado por furto qualificado - Foto: Reprodução

A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana deteve na manhã desta segunda-feira (11) um homem acusado de furtar oito bicicletas de dentro do Condomínio Side, na Vila Brieds. O suspeito, um desempregado de 32 anos, é morador do prédio e foi flagrado por câmeras de segurança.

O homem confessou os crimes na presença do advogado e foi indiciado por furto qualificado. No entanto, responderá em liberdade. Até o momento, nenhuma das bicicletas foi recuperada.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Segundo investigadores da DIG, os furtos tiveram início no dia 15 de dezembro. O caso mais recente aconteceu em 5 de janeiro.

O modus operandi era sempre o mesmo: as bicicletas eram retiradas do bicicletário que existe no condomínio e colocadas em um veículo Fiat Fiorino, de cor branca, ainda no interior do prédio.

Câmeras de segurança flagraram os furtos, identificando também o emplacamento do carro. As investigações apontaram que os crimes eram praticados por um dos moradores, posteriormente identificado por testemunhas que presenciaram ao menos um dos furtos.

No início da manhã desta segunda, a DIG cumpriu quatro mandados de busca e apreensão. O suspeito foi encontrado na casa dos pais e foi conduzido para a sede da DIG, onde confessou os crimes.

O LIBERAL apurou que o desempregado relatou aos investigadores que era viciado em drogas e “trocava tudo por cocaína”. Ele escolhia as bicicletas mais caras, cujo valor varia entre R$ 7 mil e R$ 10 mil.

Agora, a DIG segue em diligências para tentar recuperar as bicicletas. A Fiorino utilizada no crime não pertence ao morador; a propriedade ainda não foi determinada.

Publicidade