26 de setembro de 2020 Atualizado 21:48

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Gruta Dainese

Denúncia aponta que obra pode ter causado extinção de espécie

Especialistas alertaram a Promotoria de Justiça de Americana sobre impacto sofrido em meio à transposição de córrego

Por Rodrigo Alonso

11 ago 2020 às 08:30 • Última atualização 11 ago 2020 às 17:09

A obra de transposição do córrego da Gruta Dainese, em Americana, pode ter causado a extinção local de uma espécie rara de planta, conforme denúncia recebida na semana passada pelo promotor de Justiça Ivan Carneiro Castanheiro.

Planta que pode ter sido extinta com obra – Foto: Danilo Zavatin – Divulgação

Os denunciantes são o ambientalista Fábio Ortolano, vice-presidente da ACAEDUC (Associação Cultural, Ambiental e Educacional de Proteção do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) Amigos da Gruta, e também o biólogo Danilo Alvarenga Zavatin.

A espécie em questão é a Pseuderanthemum heterophyllum, endêmica nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, segundo a denúncia. Portanto, em nenhum outro lugar do mundo existe essa planta.

Em São Paulo, a espécie só foi avistada em Campinas em 1983 e em Itanhaém em 1996, antes de ser vista por Zavatin em setembro de 2019, na Gruta Dainese. O biólogo voltou ao local entre abril e maio deste ano, com a obra de transposição em andamento, e não encontrou mais a planta.

“Ela estava exatamente no local onde foi destruído. Eu procurei em toda a gruta, além da mata que estava mais próxima. Não encontrei nada. Então, se não aparecer, pode ser que a obra tenha causado a extinção local dela”, disse Zavatin, pesquisador em botânica orientado por Elton John de Lirio, pós-doutorando na USP (Universidade de São Paulo).

No ano passado, o biólogo também localizou uma planta, até então, desconhecida, cientificamente chamada de Mollinedia sp. A espécie também corre risco. “A Mollinedia ainda tem alguns indivíduos, mas que podem ser extintos pela degradação da gruta”, afirmou.

Em nota, a prefeitura apontou que as obras de transposição, que consiste na interligação dos bairros Morada do Sol e Parque da Liberdade por meio da Rua Florindo Cibin, “foram devidamente licenciadas”.

“Não foram constatadas espécies em risco de extinção e o município executou recomposição florestal para plantio de mudas nativas, bem como implantará corredor de fauna para favorecimento do fluxo gênico das espécies. Ressaltando que todos os estudos ambientais necessários foram efetuados antes do início das obras”, comunicou.

PRÉDIOS. A denúncia também menciona a construção de um conjunto de prédios na Rua Taquari, próximo a uma nascente e a uma cachoeira, o que seria irregular, de acordo com Ortolano. “Como você tem uma cachoeira e, do lado, quatro predinhos?”, declarou.

Sobre esse assunto, a administração municipal respondeu que vai se posicionar nesta terça. O promotor contou que, após a denúncia, determinou o encaminhamento de um ofício à prefeitura e à Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), no qual solicita informações.

Voluntários analisam danos ambientais

Voluntários da ACAEDUC (Associação Cultural, Ambiental e Educacional de Proteção do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) Amigos da Gruta visitam hoje a Gruta Dainese, em Americana, para avaliar os danos ambientais do local após o incêndio ocorrido no último sábado, que devastou 9 mil metros quadrados, segundo o Corpo de Bombeiros.

O vice presidente da Associação, Fábio Ortolano, esteve na Gruta no último domingo e não conseguiu localizar o ponto exato de início do fogo, porém adiantou que na gruta existem dois tipos de espécies que podem ter sido atingidas: a Leucena, um vegetal invasor do local, ou a parte de reflorestamento da área.

Ortolano ainda questiona a falta de fiscalização na gruta, que, segundo ele, é alvo recorrente de incêndios, como confirmado pelos Bombeiros.

O biólogo e pesquisador em botânica, que há mais de um ano cataloga as espécies de flores da gruta, Danilo Alvarenga Zavatin, avalia que se a parte atingida pelo fogo refere-se a Leucena não há perda para a vegetação nativa, porém, se atingiu a área de reflorestamento não há meios de reparação, considerando que o local precisaria de ao menos 50 anos para se recompor, e que incêndios frequentes impediriam a recuperação.

No último final de semana, incêndio atingiu área da Gruta Dainese – Foto: Marcelo Rocha – O Liberal.JPG

FOGO. Um incêndio destruiu a área na noite do último sábado. A causa do fogo ainda é desconhecida e não houve feridos na ocasião.

Duas equipes dos Bombeiros trabalharam por mais de três horas para conter as chamas e realizar o trabalho de rescaldo. O fogo ocorreu nas proximidades da Rua Estados Unidos.

Os bombeiros ainda fizeram um alerta para que a população tome cuidado nas áreas verdes, como, por exemplo, não jogar bitucas de cigarro. Por Paula Nacasaki

Podcast Além da Capa
Depois de três semanas novamente na fase vermelha, Americana e região completaram um ciclo de duas semanas na fase laranja e, na última sexta-feira, avançaram à fase amarela do Plano São Paulo pela primeira vez. Esse episódio dá o tom do contexto local diante da etapa mais flexível vivida até agora desde o início da quarentena provocada pela pandemia do novo coronarívus (Covid-19).

Publicidade