23 de abril de 2024 Atualizado 17:35

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Celebridades

Uma nota só

Com formato saturado, Band aposta no retorno de “Masterchef+” de olho em um público fiel e sem medo de se repetir

Por GERALDO BESSA - TV PRESS

24 de dezembro de 2023, às 11h21 • Última atualização em 24 de dezembro de 2023, às 11h22

O êxito do “Masterchef Brasil” colocou a gastronomia em um lugar de destaque na grade da Band. Embora levemente enfraquecido, é o reality culinário que ajuda a emissora a fechar as contas. Por isso, é normal que seus executivos pensem mais na exibição do programa na grade e o dinheiro que seus anúncios geram do que no esgotamento da ideia. Por isso, ao longo da última década, surgiram edições para crianças, profissionais e, mais recentemente, para pessoas acima de 60 anos.

É justamente o “Masterchef+” que agora passa por sua prova de fogo da segunda temporada. Baseado no formato original da inglesa BBC, a história do programa com a emissora começou de forma tímida e despretensiosa. Em 2014, sem muito investimento, a Band recrutou chefs até então desconhecidos do grande público para o júri técnico e contratou a jornalista Ana Paula Padrão para ter ao menos um nome de peso entre os envolvidos.

De personalidades distintas e bons de frases e improviso, o trio formado por Henrique Fogaça, Érick Jacquin e Paola Carosella resultou em uma azeitada conexão com Ana Paula. E a partir da interação dos quatro com os participantes de cada edição acontece uma humanização, sempre esperada e muitas vezes forçada nos talent-shows.

O “Masterchef Brasil” conquistou o público justamente por conta da mistura do capital humano e da boa apresentação da gastronomia como entretenimento. Ao longo da última década, a saída de Paola quase que pôs tudo a perder. Generosa e geniosa, a mais charmosa do trio de jurados originais foi ter seu merecido destaque solo no Grupo Globo. A Band correu atrás do prestigiado nome de Helena Rizzo que, aos poucos, foi imprimindo seu estilo mais jovial e direto. Com um time completo e relevante em mãos, mesmo que a ideia esteja esgotada, o programa sobrevive a partir do interesse de um público fiel.

Em contrapartida, a Band e a direção do “Masterchef+” fazem a sua parte. Com tantos anos de formato nas costas, a produção segue com muita fluidez e caprichando nas provas e desafios. Ao longo de tantas temporadas, é normal se repetir.

O programa, entretanto, aposta nas personalidades de seus participantes para garantir um bom nível de histórias e reviravoltas e é claro que ter pessoas mais experientes à disposição acaba garantindo um fôlego maior a cada exibição, aguçando a curiosidade da audiência. Sem se importar com o risco de se transformar em uma emissora de um programa só, a Band peca pela total ausência de novas ideias, mas entrega o que promete e sabe fazer bem-feito.

“Masterchef+” – Band – terças, 22h30.

Publicidade