18 de setembro de 2020 Atualizado 23:30

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Éramos Seis

Maria Eduarda Carvalho destaca relação com família e novela

Atriz assistiu “Éramos Seis” com avó, no passado, e hoje experimenta acompanhar novo remake com a filha, de 9 anos

Por TV Press

15 jan 2020 às 16:21

Para Maria Eduarda de Carvalho, “Éramos Seis” é, literalmente, um programa de família. A atriz, que dá vida à espevitada Olga na novela das 18h da Globo, guarda boas memórias de quando, em 1994, aos 12 anos, acompanhava a adaptação do SBT ao lado da avó, Laura.

Hoje, no elenco da quinta versão para a televisão do romance de Maria José Dupré, ela tem uma parceira diferente como telespectadora da história: a filha Luiza, de apenas 9 anos. “Vemos pelos Globoplay, que exibe o capítulo do dia seguinte. Quando acaba, ficamos na expectativa pelo próximo. Sinto com ela o mesmo gostinho de ver uma série”, comemora.

Foto: Jorge Rodrigues Jorge / Carta Z Notícias
“Éramos Seis” é a terceira novela seguida em que Maria Eduarda interpreta uma personagem de época

Das memórias de 25 anos atrás, Maria Eduarda lembra também da admiração que sente, até hoje, por Denise Fraga. A atriz dava vida a Olga no remake do SBT, mesmo papel de Maria Eduarda hoje e um dos que ela mais gostava na época. Para a nova adaptação, no entanto, Eduarda não chegou a conversar com a atriz. Assume: ficou com vergonha.

“Sou muito matuta, fico meio constrangida de ligar, do nada, e puxar conversa. Tem umas atrizes que são meio xodós para mim, em quem me inspiro muito. A Drica Moraes é uma delas, assim com a Denise”, entrega. Mas outra atriz que a inspira, hoje, é sua colega de elenco. “Fui aluna da Camila Amado quando eu tinha uns 20 anos e, hoje, ela está ali, comigo”, deslumbra-se.

ESPECIAL

Não só por se tratar de um dos seus personagens preferidos de “Éramos Seis”, Olga é mesmo um papel especial para Maria Eduarda. A atriz confessa que se encanta justamente pelo jeito um tanto equivocado da irmã de Lola, vivida por Gloria Pires.

“Às vezes, tenho certa peninha dela. Sabe filho, quando a gente vê que está fazendo uma besteira, mas tem de deixar para ele entender que aquilo não é legal? Vivo um pouco isso com ela”, conta.

O sentimento chegou a ser maior na reta inicial da trama, em função do sonho que Olga cultivava: o de encontrar um homem rico. “Naquela época, as mulheres eram muito reféns de um matrimônio promissor para mudarem de vida”, justifica.

Maria Eduarda mostra seu olhar mais puro na hora de contar o que realmente mais valoriza na nova adaptação de “Éramos Seis”. Para a carioca de 37 anos, é instigante mostrar, através da arte, algo que se perdeu nesse mundo moderno: a delicadeza.

“Acho legal ver essa coisa de parar e, de fato, ouvir o que o outro tem a dizer, enxergar o próximo. Estamos deixando de ser humanos. ‘Éramos Seis’ traz isso em uma potência muito grande”, avalia ela, que se diz uma pessoa muito apegada aos amigos e à família.

“Quando penso na força que tenho de vida, tenho certeza de que ergui isso através da minha família, da relação que a gente estabeleceu. Nos fortalecemos uns nos outros, conversando e nos ajudando”, explica.

Parceria na comédia

Em diversos trabalhos na tevê, Maria Eduarda mostrou-se à vontade no humor. Em “Éramos Seis”, no entanto, ela conta com um parceiro e tanto em suas cenas: Eduardo Sterblitch, que estreou no “Pânico na TV!” e encara, agora, a primeira novela de sua carreira.

Na história, ele interpreta o caipira Zeca, com quem Olga se casou. “Às vezes, o cameraman não consegue segurar o equipamento porque começa a rir. Eu mesma preciso parar em algumas cenas por não me controlar. O Eduardo é sensacional, temos um jogo cênico muito rico e liberdade para trocar, por parte dos diretores e da autora. É um grande barato”, comemora.

Uma curiosidade é que “Éramos Seis” é a terceira novela seguida em que Maria Eduarda interpreta uma personagem de época – antes de “O Tempo Não Para”, ela foi a Gilberte de “Tempo de Amar”, que estreou em 2017, na Globo.

Instantâneas

# A estreia de Maria Eduarda de Carvalho na tevê foi em 2007, na Globo, como a secretária Odete na novela “Paraíso Tropical”.

# Em 2014, na novela “Em Família”, a atriz formou uma espécie de triângulo amoroso com Giovanna Antonelli e Tainá Müller.

# Maria Eduarda também criou a websérie “Ato Falho”, exibida pela Globo.com, na qual também atuou.

# A atriz foi uma das protagonistas de “Sete Vidas”, em 2015. A trama mostrava jovens nascidos de inseminações com material de um mesmo doador anônimo que se encontravam pela internet e buscavam informações sobre o pai

Publicidade