28 de setembro de 2021 Atualizado 21:52

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Celebridades

Força do destino

Marcel Octávio foi testado para cinco papéis diferentes até ser escolhido para interpretar o malvado Ian de “Gênesis”, na Record

Por Márcio Maio / TV Press

24 jul 2021 às 07:53

Pode-se dizer que estava quase predestinado que Marcel Octávio estivesse no elenco de “Gênesis”, novela bíblica da Record. A produção já chamava o ator para testes de personagens na trama desde outubro de 2019, mas sempre acabava não rolando, por um motivo ou outro. Foram cinco provas diferentes nos estúdios, todas para personagens distintos. Até que, em janeiro deste ano, ele recebeu uma ligação com a notícia de que estaria no folhetim, na pele do vilão Ian.

Para interpretar Ian, Marcel decidiu, primeiro, reler a história de Jacó no livro “Gênesis”, da Bíblia – Foto: Divulgação

“Acho muito rico usarmos a Bíblia como base. As histórias presentes em ‘Gênesis’ são muito humanas e repletas de situações com as quais podemos nos relacionar. Os papéis não são apenas de bondade ou maldade, eles são humanos, são reais”, comemora.

Ian é um dos filhos de Labão, papel de Heitor Martinez, o rico pastor de ovelhas e pai das duas mulheres de Jacó, interpretado por Miguel Coelho. “Ele é um garoto raivoso e mimado que busca a aprovação do pai para tudo, mas acha que não recebe atenção suficiente e desconta em suas irmãs”, descreve Marcel. Ao longo da trama, Ian estará sempre perto do irmão mais velho, Amir, vivido por Luidi Porto, tramando com o pai contra Jacó.

Para interpretar Ian, Marcel decidiu, primeiro, reler a história de Jacó no livro “Gênesis”, da “Bíblia”. Ele também aproveitou usou “Zelota – A Vida e a Epoca de Jesus de Nazaré”, escrito pelo historiador americano Reza Aslan, como fonte de inspiração. “Foi ótimo para entender os costumes e povos antigos. Por fim, pesquisei outros personagens similares de séries televisivas épicas. Estudei os filhos de Ragnar, da série ‘Vikings’, e também a história de Dinah, retratada pela série americana ‘A Tenda Vermelha’”, conta ele, que além de atuar, também dá aulas de canto.

Já na pandemia do novo coronavírus, Marcel e a mulher dele, a atriz Mariana Gallindo – que foi a dedicada Zade de “Gênesis”, na terceira fase, “Torre de Babel” – decidimos colocar em prática um sonho antigo: ter um espaço cultural próprio. Daí, surgiu a Casa Henriquieta, em São Paulo, para a qual Marcel desenvolveu um curso de canto e voz e Mariana levou seu projeto de dança com mulheres da terceira idade, o “Sexagenárias”. “Além disso, usamos o local para desenvolver e executar nosso primeiro show online, ‘Bug do Milênio’, e já contamos com outros parceiros que utilizam o espaço nas mais diversas áreas artísticas, como produções de conteúdo audiovisual, aulas de balé clássico e artesanato. Mais informações estão no nosso site, o www.casahenriquieta.com.br”, avisa.

Raio X de Marcel Rodrigo Octavio

Nascimento: 3 de julho de 1987, no Rio de Janeiro.

Atuação inesquecível: Como narrador no musical “Rocky Horror Show”. “Era um cínico escrachado e deliciosamente bem-humorado, um personagem que brincava em cena”.

Interpretação memorável: Rowan Atkinson como o Mr. Bean.

Momento marcante na carreira: “Dar vida ao personagem Mundinho Falcão, na primeira montagem teatral de ‘Gabriela – Cravo e Canela’, de Jorge Amado, dirigido por João Falcão”.

O que falta na televisão: “Diversidade. Toda história merece ser contada”.

O que sobra na televisão: “Espaço para criar. Com a chegada dos novos canais de streaming, as possibilidades são infinitas”.

Com quem gostaria de contracenar: Wagner Moura. “Admiro muito o trabalho dele”.

Se não fosse ator, seria: Músico. “Talvez pianista”.

Ator: Miguel Falabella.

Atriz: Fernanda Montenegro.

Novela: “A Próxima Vítima”, escrita por Silvio de Abreu e exibida originalmente pela Globo em 1995.

Vilão marcante: Nazaré Tedesco, papel de Renata Sorrah em “Senhora do Destino”, novela de Aguinaldo Silva, exibida originalmente pela Globo entre 2004 e 2005.

Personagem mais difícil de compor: O narrador do musical “Rocky Horror Show”. “Foi um mês exaustivo, de erros e acertos, até chegar à estreia”.

Que novela gostaria que fosse reprisada: “A Próxima Vítima”.

Que papel gostaria de representar: Hamlet, personagem de William Shakespeare.

Filme: A trilogia original de “Guerra nas Estrelas”.

Autor: William Shakespeare.

Diretor: Woody Allen.

Vexame: “Já esqueci letra de música na hora de cantar meu solo em ‘Hair’. Saiu um gromelô tão tosco que eu queria apenas sumir do planeta por um tempo”.

Mania: “De louça limpa. Não aguento olhar pia suja por um minuto sequer depois da refeição”.

Medo: “De não viver da minha arte”.

Projeto: “Expandir a Casa Henriquieta, levando cultura para o maior número possível de pessoas”.

Publicidade