13 de agosto de 2022 Atualizado 17:51

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Celebridades

Entrada estratégica

Marcela Fetter acredita que deu sorte por estrear em “Pantanal” com locações no bioma

Por MÁRCIO MAIO - TV PRESS

04 de agosto de 2022, às 10h00

Entrar em uma novela depois que praticamente 100 capítulos já foram ao ar não é fácil. Marcela Fetter sentiu isso na pele ao começar a gravar suas cenas como a jornalista Érica de “Pantanal”. No entanto, a gaúcha, que tem 26 anos, garante que um detalhe ajudou demais nesse processo de familiarização com a trama e com o elenco. “Tive a sorte de começar minhas gravações no Pantanal. Ficamos um mês acordando, tomando café da manhã, almoçando, gravando, jantando, assistindo a novela, todos juntos. Com isso, criei uma conexão e intimidade com cada um”, explica.

Érica começou a aparecer na novela das 21h da Globo no capítulo 94. Foi quando a personagem embarcou na chalana de Eugênio, vivido por Almir Sater, a fim de registrar os desafios pelos quais o Pantanal passa atualmente. Sua última parada é justamente na região onde fica a fazenda de José Leôncio, papel de Marcos Palmeira, de quem a jovem já tinha ouvido falar muito, mas acreditava ser apenas mais um pecuarista, entre tantos outros com quem tinha conversado. Mas, depois de se deparar com os peões do fazendeiro, pediu pouso na fazenda e, assim, conheceu José Lucas de Nada, interpretado por Irandhir Santos, com quem começa a se envolver. “Ela sente uma paixão avassaladora por esse cara tão intrigante e diferente da realidade dela, que faz enxergar o mundo por outro ângulo. Ela se sente viva com a presença dele”, defende Marcela.

É visível o impacto que a experiência no Pantanal causa em Érica. “Ela é paulistana, filha de um deputado federal. No Pantanal, é surpreendida pela magia do lugar, se tornando algo muito mais profundo de autoconhecimento, de conexão com sua essência e leveza pura. Uma realidade completamente diferente da sua”, analisa a intérprete da jornalista. Para o trabalho, Marcela resolveu pesquisar tudo que podia sobre a região em que gravaria suas cenas iniciais. “Mergulhei em documentários, vídeos e entrevistas, para poder me abastecer ao máximo de tudo isso que a Érica já dominava dentro dela”, conta.

Transmitir o fascínio de Érica ao se deparar com aquela realidade, no entanto, foi algo extremamente orgânico para Marcela. “Deixei para sentir e viver isso quando chegasse ao Pantanal para as gravações. E foi imediato o fascínio da atriz também. Aquele lugar é muito mágico, com uma energia muito especial”, derrete-se. Marcela nunca tinha ido ao Pantanal, mas aquele parece ser um destino que tem tudo a ver com os que ela busca em suas viagens de lazer. “Procuro me conectar mais com a natureza. Mas nada se compara ao que vivi e vi no Pantanal, é uma quantidade de vida que nunca tinha visto antes. Andava a cavalo na companhia de araras azuis voando lindamente, olhava para o lado e tinha uma família de capivaras. De outro, tamanduá bandeira, porto monteiro… Entrávamos no rio com os jacarés a meio metro de distância, foi uma experiência muito surreal e inesquecível”, lembra.

Marcela não chega a ser um rosto desconhecido na tevê, mas também não tem uma experiência tão extensa no veículo. Ela teve um papel de destaque no seriado “Malhação – Seu Lugar no Mundo”, exibida entre 2015 e 2016 pela Globo, na pele da lutadora Flávia. Em “Se Eu Fechar os Olhos Agora”, série exibida pela Globo em 2019, viveu a sonhadora Cecília, que era filha do prefeito Adriano, interpretado por Murilo Benício, que hoje dá expediente como o vilão Tenório em “Pantanal”. Agora, a atriz sente um peso diferente dos trabalhos anteriores. “Fazer minha primeira novela, em uma obra de relevância histórica como ‘Pantanal’, já não é uma coisa simples. Entrar no capítulo 100 então, potencializa a dificuldade. Ainda mais no meio de tantos atores consagrados. Imagina a responsabilidade e a tensão”, destaca.

Publicidade