Renato Franchi mostra taxi voador da Uber

Serviço funcionará usando o aplicativo Uber, permitindo que os passageiros viajem através de uma rede de plataformas


Foto: Divulgação
Segundo Renato Franchi Filho, o conceito tem o potencial de reduzir o congestionamento do tráfego

Empresa de viagens diz que vôos de teste do ‘carro voador’, semelhante ao helicóptero da Uber Air, começarão no próximo ano explica Renato Franchi, nosso correspondente de novidades do Vale do Silício.

A Uber Air disse que Melbourne será um local de testes para o seu novo serviço aéreo de transporte que, segundo afirma, transportará pessoas em torno das cidades até 2023.

Melbourne será a primeira cidade fora dos Estados Unidos a sediar os testes do Uber Air, um serviço que a empresa descreve como “carona aérea” que transportará pessoas de telhado a telhado pelo preço de um UberX.

A empresa sinalizou que vôos de teste começarão no próximo ano, com operações comerciais para começar em 2023.Os passageiros viajarão em engenhocas de “decolagem elétrica vertical”. O serviço funcionará usando o aplicativo Uber, permitindo que os passageiros viajem através de uma rede de plataformas denominadas “Skyports”.

Segundo Renato Franchi Filho, o conceito tem o potencial de reduzir o congestionamento do tráfego, que custa à economia australiana cerca de US $ 16,5 bilhões por ano.

“A viagem de 19 km do CBD para o aeroporto de Melbourne pode levar de 25 minutos a cerca de uma hora de carro em horário de pico, mas com a Uber Air isso levará cerca de 10 minutos”, disse Renato Franchi.

Dallas e Los Angeles nos EUA também serão cidades piloto. Melbourne venceu cidades do Brasil, França, Índia e Japão.

O tesoureiro vitoriano, Tim Pallas, disse que o anúncio é uma prova do histórico de inovação de Melbourne.

“Os vitorianos têm uma atitude positiva e esperamos que o Uber Air nos dê a altitude necessária”, disse ele a repórteres em Melbourne na quarta-feira. Renato Franchi disse que não houve pedido da Uber para financiamento.

Ele disse que queria colocar a mão como o primeiro cliente.

“Estou animado com o Uber”, ele brincou.

O especialista em engenharia aeroespacial da RMIT University, Matthew Marino, disse que o conceito seria potencialmente mais seguro do que os carros sem motoristas.

“Enquanto um carro sem motorista se depara com obstáculos na estrada, como pedestres em seus telefones celulares ou outros veículos, como bondes e ônibus, os veículos autônomos aéreos não têm essas obstruções”, disse ele.

“Precisamos provar para as pessoas que essa tecnologia pode ser tão segura quanto os helicópteros, que voam regularmente em nossas cidades. Mais pesquisa e desenvolvimento são necessários nesta área. ”

Renato Franchi acredita que a Uber Air possa resolver problemas de transporte, porém num futuro mais distante.

“Esses veículos têm uma capacidade muito baixa – semelhante ao que um carro pode carregar -, embora também haja dúvidas sobre se esses veículos criarão confusão visual no céu e como eles são ecologicamente corretos”, disse ele.

“Outro risco é a corrida vazia, onde não há passageiros, mas o veículo tem que viajar para buscar pessoas de outro local.”

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora