04 de março de 2021 Atualizado 23:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Turismo

Consórcio para viajar? Entenda como funciona essa modalidade

Acompanhando a tendência de serviços de turismo oferecidos por empresas de fora desse segmento, também resolveram atrair viajantes

Por Agência Estado

12 nov 2020 às 08:11

Você vai pedir para viagem? O delivery, que deu a tônica da pandemia, ganhou sentido literal. Acompanhando a tendência de serviços de turismo oferecidos por empresas de fora desse segmento, consórcios também resolveram atrair viajantes.

Em um dos setores mais afetados no mundo com a Covid-19 – no Brasil, a retomada do turismo doméstico é prevista para 2021 e das viagens internacionais apenas para 2022 -, essas empresas veem oportunidade de negócio com a demanda reprimida.

Os consórcios de viagem possibilitam que os clientes se programem para viajar quando se sentirem seguros e pagando valores acessíveis – Foto:

O consórcio começou a ser divulgado depois da pandemia como uma alternativa para planejamento de viagens. O Consórcio Magalu, que vende planos de serviço desde 2009, lançou uma área no site dedicada a viagens em 5 de outubro.

A iniciativa Viaja Brasil Consórcios, parceria da administradora Embracon e da Voetur Operadora, foi lançada no fim de setembro. O Viaja Brasil Consórcios possibilita que os clientes se programem para viajar quando se sentirem seguros, pagando valores acessíveis, sem cobrança de juros, com planos de até 48 meses. O perfil do Viaja Brasil no Instagram investe nos agentes de viagens como parceiros de vendas, embora o consorciado sempre terá a liberdade de utilizar sua carta contemplada onde e como achar mais interessante.

PLATAFORMAS

Novos produtos de viagem vêm aparecendo também entre aplicativos de fora do setor. O banco digital Inter acaba de anunciar a venda de passagens aéreas entre investimentos financeiros e seguros de vida, seus clássicos produtos. No Rappi Travel, os viajantes podem garantir passagens de avião ou ônibus, além de aluguel de veículo pela Unidas e hospedagem em 30 parceiros, caso de sites de reserva como Expedia e redes hoteleiras como Atlantica, Bourbon, GJP e Wyndham. Bilhete aéreo é o produto mais vendido, seguido de hotel e ônibus.

O que é um consórcio?

Na definição da Abrac, é “a modalidade de compra baseada na união de pessoas – físicas ou jurídicas – em grupos, com a finalidade de formar poupança para a aquisição de bens móveis, imóveis ou serviços”. Quem cria esses grupos é uma empresa administradora de consórcios, autorizada e fiscalizada pelo Banco Central. A categoria de plano que pode ser usado para viajar se chama consórcio de serviços.

Como se recebe a viagem?

Consórcios realizam assembleias para contemplar os ganhadores de cada mês por meio de sorteio de vencedor e também análise de lances de quem queira antecipar seu prêmio. O sorteio define apenas a ordem em que os prêmios serão distribuídos porque todos os participantes vão receber até a data limite definida como fim do plano do consórcio.

Como funciona o lance?

O participante oferece o pagamento antecipado de prestações. A administradora analisa a quantidade de caixa disponível no grupo e decide se é possível antecipar prêmio para lances, priorizando quem ofereceu pagar o maior número de parcelas.

O que é uma carta de crédito?

É o nome dado a um documento emitido pela administradora do consórcio para que o participante contemplado possa ir a uma empresa para solicitar seu prêmio. No caso de viagem, pode escolher um pacote ou serviço em uma agência e usar a carta de crédito para pagar por ele. Carta de crédito na mão significa pagamento à vista, situação que permite negociação e obtenção de descontos”, afirma Roberto Rossi, presidente executivo da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios.

Quanto custa o consórcio?

No Viaja Brasil, um plano de 18 meses para carta de R$ 14 mil tem parcelas mensais estimadas em R$ 926,37. O plano mais em conta do Magalu é o de R$ 9 mil, com pagamento em até 60 meses, de parcelas de R$ 181,81.

O consumidor deve sempre perguntar quanto paga de taxa de administração e de fundo de reserva.

Publicidade