16 de abril de 2024 Atualizado 16:32

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Vítima de violência psicológica geralmente não percebe o que está acontecendo

Advogada em Direito de Família para mulheres dá exemplos de situações que podem indicar algo errado

Por Carolina Lara - Lara Comunicação

05 de dezembro de 2023, às 09h30 • Última atualização em 05 de dezembro de 2023, às 09h38

A violência psicológica é um tema que merece discussão e conscientização, pois se trata de um tipo de abuso que pode afetar profundamente a saúde mental e emocional de uma pessoa. Esta violência pode acontecer de diversas formas, como a desvalorização, a pressão para mudar ou até mesmo a manipulação. O grande problema é que, muitas vezes, quem sofre a violência pode não perceber que ela está acontecendo.

Segundo Andressa Gnann, advogada expert em Direito de Família para mulheres e sócia fundadora do escritório Gnann e Souza Advogados, mãe, além de empreendedora serial e com projetos voltados para o público feminino, a pessoa que sofre violência psicológica pode até mesmo se sentir culpada ou envergonhada perante o agressor, pois muitas das vezes a violência é praticada de uma forma sutil que fica ainda mais difícil de identificar, como por meio de brincadeiras.

“Isso significa que o agressor pode usar o humor, palavras ou ações para ofender, humilhar ou degradar a vítima, bem como para manipular ou controlar sua vida”, explica.

De acordo com a advogada, essas brincadeiras podem ser ditas ou feitas com a intenção de fazer com que a vítima se sinta inferiorizada e intimidada. “Alguns exemplos de brincadeiras que podem ser consideradas violência psicológica incluem piadas de mau gosto ou insultos, comparações entre a vítima e outras pessoas, ridicularização de seus interesses, atitudes ou aparência, chantagem emocional, uso de palavras pejorativas para se referir a ela e uso de sarcasmo”, afirma.

Essas brincadeiras podem contribuir para a criação de um clima de medo e insegurança, segundo a especialista, pois a vítima pode sentir que é incapaz de responder ou se defender, mas também, pode começar a acreditar que o agressor tem razão e que é ela quem dá motivos para isso.

“Por isso, é importante que as pessoas fiquem alertas para esse tipo de violência e saibam como responder e ajudar a vítima. Vale lembrar que nem sempre as afirmações são tão diretas, algumas são feitas em atitudes, sinais e talvez até de uma forma invertida e aparentemente amorosa, dificultando ainda mais a identificação”, analisa Andressa.

Algumas atitudes, situações e pensamentos que podem indicar que está sendo vítima de violência psicológica:

A vítima se sente culpada por várias atitudes do agressor

A vítima se sente incapaz de fazer muitas coisas

A vítima é insegura

A vítima sente que está “pisando em ovos” o tempo inteiro

A vítima não consegue ser como é, pois tem medo ou receio das críticas do parceiro

A vítima tem medo de dizer não ao parceiro

A vítima se sente controlada o tempo inteiro

A vítima se sente culpada pelas próprias conquistas, pois deixam o parceiro incomodado ou chateado

Em todas as discussões, a vítima está sempre errada

A vítima está infeliz, mas tem medo de acabar a relação

A vítima tem dúvida se está em uma relação normal ou se está em um relacionamento abusivo

A vítima sente desânimo

A vítima sente que não é mais a mesma pessoa

A vítima se afastou de amigos, parentes e colegas

Caso algumas dessas situações ocorram é imprescindível a busca de profissionais experientes e especialistas. “Infelizmente, muitas pessoas buscam falar com alguns amigos ou até líderes religiosos e, pelo patriarcado existente na nossa sociedade, tudo isso é mascarado como algo normal dos casamentos. Então, é indispensável analisar toda a situação e buscar profissionais qualificados que saberão direcionar para o melhor caminho ou até mesmo grupos de apoio”, orienta Andressa.

Publicidade