27 de fevereiro de 2024 Atualizado 11:02

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

A Era da Dopamina

O impacto do uso excessivo de tecnologia nas redes sociais e a influência no comportamento humano

Por Gabriela Dallo_ RTA Comunicação

15 de novembro de 2023, às 14h59

Vivemos em uma era digital em constante evolução, onde a tecnologia desempenha um papel central em nossas vidas. No entanto, à medida que nos envolvemos cada vez mais com nossos dispositivos móveis e redes sociais, surge uma preocupação crescente sobre o impacto do uso excessivo de tecnologia em nosso comportamento e bem-estar. A terapeuta, especialista em vícios e comportamento humano, Madalena Feliciano, comenta sobre a relação entre a dopamina, o uso de celulares e redes sociais, o comportamento viciante e as consequências desse fenômeno na sociedade.

A dopamina é um neurotransmissor que desempenha um papel fundamental no sistema nervoso central. Ela está envolvida em diversos processos cognitivos e comportamentais, além de desempenhar um papel crucial no sistema de recompensa do cérebro.

Um dos principais sistemas em que a dopamina atua é o sistema de recompensa. Nesse sistema, ela é liberada quando experienciamos algo prazeroso ou recompensador, como comer uma comida saborosa, receber elogios ou alcançar um objetivo. Essa liberação de dopamina cria uma sensação de prazer e motivação, incentivando o comportamento repetitivo para buscar essas recompensas.

No contexto das redes sociais e da tecnologia, a dopamina também desempenha um papel importante. Quando recebemos uma notificação, como um novo e-mail, uma curtida ou um comentário em uma postagem nas redes sociais, isso pode estimular a liberação de dopamina em nosso cérebro. Essa sensação de gratificação e satisfação nos motiva a continuar usando as redes sociais e buscando mais interações e recompensas sociais.

Embora a dopamina seja essencial para o funcionamento normal do cérebro e para a motivação, o uso excessivo de certas atividades que estimulam a sua liberação, como as redes sociais, pode levar a um comportamento viciante.

“As redes sociais desempenham um papel significativo na maneira como nos relacionamos uns com os outros. No entanto, o uso excessivo pode levar a um comportamento de busca de validação e comparação social constante, impactando negativamente nossa autoestima e bem-estar emocional. A preocupação com a quantidade de curtidas, seguidores e comentários pode levar à busca incessante por aprovação externa, afetando nossa saúde mental e relacionamentos reais”, destaca Madalena.

O vício em tecnologia pode levar ao isolamento social, falta de sono adequado, queda no desempenho acadêmico e profissional, além de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Um dos principais efeitos adversos é a diminuição da interação face a face. À medida que as pessoas se envolvem cada vez mais com seus dispositivos eletrônicos e as redes sociais, as interações pessoais diretas podem ser negligenciadas. Isso pode levar ao isolamento social, à falta de conexões significativas e à redução da empatia e compreensão interpessoal. O contato físico e a comunicação não verbal também podem ser prejudicados, afetando a qualidade das relações e a capacidade de estabelecer conexões profundas com os outros.

A dependência de mensagens de texto e comunicações online pode levar a uma diminuição das habilidades de expressão verbal e de escuta ativa. A comunicação digital muitas vezes carece de nuances e contexto, o que pode levar a mal-entendidos e dificuldades na interpretação das intenções e emoções dos outros. Isso pode afetar negativamente relacionamentos pessoais, trabalho em equipe e colaboração em diversos contextos sociais.

Para mitigar os impactos negativos do uso excessivo de tecnologia, é fundamental adotar práticas saudáveis e conscientes no nosso dia a dia. Madalena Feliciano explica em detalhe algumas estratégias que podem ser adotadas:

Limites de tempo

Definir limites claros para o uso diário de dispositivos eletrônicos pode ser uma maneira eficaz de controlar o tempo gasto em atividades digitais. Isso pode ser feito estabelecendo horários específicos para o uso de celulares, computadores e redes sociais, reservando períodos de tempo para atividades offline e interações pessoais.

Praticar a desconexão regularmente

É importante reservar momentos de desconexão digital em nossa rotina. Isso pode incluir períodos de tempo livre de dispositivos, como durante as refeições, antes de dormir ou ao acordar. A desconexão nos permite estar presentes no momento presente, desacelerar e reconectar-se com nós mesmos e com as pessoas ao nosso redor.

Relacionamentos reais

Investir em relacionamentos offline é crucial para contrabalançar o isolamento social causado pelo uso excessivo de tecnologia. Priorizar encontros presenciais, conversas face a face e atividades em grupo pode fortalecer os laços sociais, promover a empatia e melhorar a qualidade das interações interpessoais.

Atividades offline

Encontrar prazer em atividades offline é essencial para equilibrar o tempo gasto em frente às telas. Isso pode incluir praticar exercícios físicos, envolver-se em hobbies criativos, ler livros, passar tempo ao ar livre, meditar ou simplesmente desfrutar de momentos de tranquilidade sem a interferência dos dispositivos eletrônicos.

Publicidade