Atletismo dos EUA faz coro com a natação e pede mudança na data da Olimpíada


A USA Track and Field (USATF), a federação de atletismo dos Estados Unidos, fez coro com a natação do país e também pediu o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio, marcados para julho. A entidade pressiona o Comitê Olímpico dos EUA para mudar a data do grande evento, cada vez mais ameaçado pela pandemia de coronavírus.

“A USATF está respeitosamente pedindo aos Comitês Olímpico e Paralímpico dos EUA que defendam junto ao COI o adiamento dos Jogos de Tóquio”, diz carta assinada pelo CEO da USATF, Max Siegel. O documento foi endereçado à Sarah Hirshland, presidente do Comitê Olímpico dos EUA.

“Este é um momento crítico para nossos atletas para treinar e competir porque eles buscam estar em suas melhores condições para representar nosso país. nosso maior objetivo é alcançar a excelência atlética durante os Jogos Olímpicos, mas não às custas da segurança e do bem-estar dos nossos atletas”, destacou o dirigente.

Siegel enfatizou que os atletas estão vivendo sob forte estresse diante da dificuldade de manter suas rotinas de treino em meio à pandemia. “Nossos atletas estão sob muita pressão, estresse e ansiedade, e a saúde mental deles e seu bem-estar estão entre nossas maiores prioridades.”

“A coisa mais certa e responsável a se fazer é priorizar a saúde e segurança de todos e reconhecer apropriadamente o impacto que essa difícil situação tem e continuar a ter sobre nossos atletas na preparação para a Olimpíada”, afirmou.

Ao tornar pública esta carta, a federação de atletismo se junta à federação de natação dos EUA. Na sexta, esta última entidade pediu publicamente o adiamento da Olimpíada. “Vimos o mundo de nossos atletas virar de cabeça para baixo”, escreveu o CEO da natação nos EUA, Tim Hinchey.

Os apelos pelo adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos se tornaram mais fortes nos últimos dias. Entidades, federações e atletas de diversas modalidades e diferentes pontos do mundo passaram a verbalizar a preocupação com a realização da Olimpíada, marcada para 24 de julho, na capital japonesa. Além do medo da pandemia, eles alegam que a necessidade de isolamento social e quarentena vêm atrapalhando a preparação dos esportistas.

Apesar disso, o Comitê Olímpico Internacional vem mantendo o discurso de que não pretende adiar o grande evento. A entidade acredita que até o fim de julho a doença já estará controlada em todos os países, permitindo a realização da Olimpíada.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora