22 de junho de 2021 Atualizado 12:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Esporte

Jogadores da seleção brasileira decidem disputar Copa América no País

Jogadores negam qualquer pedido de férias, mas não abrem mão de explicar os motivos da revolta com a competição

Por Agência Estado

07 jun 2021 às 15:30 • Última atualização 07 jun 2021 às 17:01

Os atletas vão divulgar um manifesto, que deverá ser uma nota simples e curta - Foto: Lucas Figueiredo - CBF

A seleção brasileira vai disputar a Copa América. Os jogadores negam qualquer pedido de férias, mas não abrem mão de explicar os motivos da revolta com a competição que veio parar no Brasil sem aviso prévio.

Os atletas vão divulgar um manifesto, que deverá ser uma nota simples e curta. O tom é de desaprovação com a maneira como a Copa América foi transferida para o Brasil depois da desistência de Colômbia e Argentina. E também vão criticar a desorganização da Conmebol. No documento, eles querem deixar claro que o posicionamento não era político e que valeria para qualquer país onde o torneio fosse realizado.

O momento de divulgação do documento ainda não foi definido pelos atletas. Pode ser ainda nesta segunda-feira, mas é mais provável que seja realmente após a partida diante do Paraguai, nesta terça-feira, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Os jogadores estão tentando divulgar o manifesto juntamente com atletas de outras seleções para acentuar que não se trata de ação com caráter político.

Existe ainda a possibilidade de o elenco fazer alguma manifestação em relação à pandemia no Brasil, usando suas imagens em prol do combate à doença. O Brasil está perto de registrar 500 mil pessoas mortos pela covid-19. Entrar em campo com faixas de alerta não está descartado.

Na semana passada, o presidente afastado da CBF por denúncia de assédio sexual e moral, Rogério Caboclo, acertou com a Conmebol e com o presidente Jair Bolsonaro a realização da Copa América no Brasil. A decisão foi tomada sem consulta ao técnico Tite, ao capitão Casemiro e às principais lideranças da equipe.

Nem mesmo outros departamentos da CBF foram consultados para a organização do evento. Este é um dos principais motivos de insatisfação. Os jogadores se sentiram traídos pelo dirigente e não aceitam a maneira como a decisão foi tomada. Os jogadores vão manter a postura contra a realização da disputa no Brasil e da forma com ela foi “empurrada” para eles na concentração das Eliminatórias, mas não vão prejudicar a entidade “seleção brasileira” numa competição internacional.

Os atletas também condenaram a presença do dirigente em Porto Alegre nos treinos e no vestiário. Caboclo tentou contornar o clima, mas só fez piorar o sentimento de todos. Disse o que não deveria, proibiu Casemiro de dar entrevista, o que ele não cumpriu, porque falou em entrevista à Globo, detentora dos direitos de transmissão após a vitória diante do Equador, e ainda tratou, segundo apurado pelo Estadão, o elenco em tom pejorativo entre patrão e empregado, o que só causou mais revolta. Com o afastamento de Caboclo, o cenário mudou.

Não se sabe se todos os jogadores vão disputar a Copa América. Tite pode repensar o grupo. Em princípio, todos eles ficariam juntos, como disse Casemiro. O torneio começa dia 13 acaba dia 10 de julho, se o Brasil chegar até a decisão, marcada para o Rio. A seleção é a última campeã da Copa América, em 2019, após superar o Peru.

Os jogadores não sabem nada da Copa América: se vão ficar na Granja Comary, o mais provável, ou se num hotel nas cidades de Brasília, Goiás ou Cuiabá. Também não foram avisados dos traslados das viagem e das rotinas de uma competição com a chancela da Fifa e da Conmebol. Dizem que, se a Copa América fosse realizada na Argentina, sabiam que o país tinha se preparado há dois anos para recebê-la, diferentemente do Brasil, que tenta se organizar em dez dias.

Para os jogadores, a Copa América não vale muita coisa em seus respectivos currículos. Vale apenas mais uma taça. O campeão vai ganhar R$ 52 milhões.

Publicidade