28 de fevereiro de 2024 Atualizado 16:23

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

CULTURA

Sesc Campinas tem programação cultural para discutir a Aids e como viver com ela

O projeto “Contato” promove atividades desde encenações a bate-papo sobre a temática

Por Stela Pires

01 de dezembro de 2023, às 10h26 • Última atualização em 01 de dezembro de 2023, às 11h57

A programação do mês de dezembro do Sesc (Serviço Social do Comércio) Campinas tem início com uma série de eventos culturais voltados a discussão sobre a Aids. As atrações relacionadas à temática acontecem neste final de semana.

Os eventos são do projeto “Contato”, que tem como objetivo abordar a temática da saúde sexual e reprodutiva e a prevenção das infecções sexualmente transmissíveis. A discussão será abordada por meio de ações educativas, participativas e lúdicas, além de utilizar diversas linguagens para possibilitar a aproximação com o público.

Experimentação Cênica trata sobre a temática do evento – Foto: Coletivo Contágio

Em todas as atividades, a coletiva Loka de Efavirenz irá convidar artistas que atuam em diversas linguagens para ocupar o Espaço Arena do Sesc Campinas a fim de fomentar, através das artes, o debate sobre a vivência com HIV/AIDS, com a temática “Insurgências PositHIVas: Fabular Curas”. 

Para participação das ações promovidas pelo proejto “Contato”, os interessados devem retirar ingressos na Loja Sesc a partir de duas horas antes do início da atividade para participação. As vagas são limitadas.

A primeira das ações será “A Palavra como Flecha, Brecha, Respiro e Abraço”, que acontece neste sábado (2), das 14h às 14h15. Na ação será realizada a leitura de poesias autorais da artista e educadora Priscila Obaci, que entrelaçam maternidade, negritude e HIV. 

Com realização no sábado e também no domingo (3), das 14h15 às 14h45, acontece a segunda atividade, a “A Boca que Manduca Memórias, Regurgita Futuros”. Três artistas diferentes se encontram em cena e refletem, através da ação de mastigar, engolir e cuspir, sobre estruturas sociais estigmatizantes que precisam urgentemente ser superadas. 

“A Palavra como Flecha, Brecha, Respiro e Abraço” recita poesias que entrelaçam maternidade, negritude e HIV – Foto: Cassimano Nanau

Em 2005, quando o então Programa Nacional de IST/AIDS desenhou o plano estratégico para a erradicação da enfermidade, ampliou-se o entendimento de que as estratégias e respostas à epidemia precisariam estar articuladas aos esforços de romper com a vulnerabilização programática. 

Dado isso, durante este bate-papo, os participantes procurarão analisar as experiências exitosas no uso das tecnologias sociais na construção de um futuro sem AID$. As reflexões “o que a sua opinião constrói e destrói?”, “quem vive e quem morre?”  e “como você alimenta a AID$?” são levantadas na apresentação.

Na reta final do projeto “Contato”, o “Experimentação Cênica: Encomenda” com Ará Silva e David Costa, do Coletivo Contágio, apresenta dois amigos que, diante da necessidade de sobreviverem a uma epidemia, se deparam com o pedido de uma encomenda de algo que não tem mais volta. A encenação acontece no domingo (3), das 14h às 14h15.

E encerrando os eventos relativos ao projeto, a roda de conversa “Quais São as Curas que Queremos para Um Futuro Pós-Pandêmico?”, das 14h45 às 16h, propõe a reflexão sobre quais são os desafios tecnológicos e políticos para a erradicação da AIDS. 

Além disso, quais são as possibilidades para o avanço no facejamento ao estigma e a discriminação contra as pessoas que vivem com o vírus HIV, barreira de longa data para a eficácia das estratégias de erradicação da epidemia.

Publicidade