20 de junho de 2024 Atualizado 18:13

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura na região

Palestras e apresentações iniciam projeto de letramento racial em Americana nesta segunda

“Racismo é um Projeto” é viabilizado pela Lei Paulo Gustavo

Por Redação

27 de maio de 2024, às 07h38

Começa nesta segunda-feira (27) a série de palestras sobre letramento racial, “Racismo é um Projeto”, com as atrizes Adriana Brasil e Karoline Leão. A ação também conta com apresentação teatral sobre o tema. O projeto é viabilizado com recursos da LPG (Lei Paulo Gustavo).

A primeira atividade será realizada amanhã, às 18h30, na sede do Projeto Força e Fé, na Rua dos Colibris, 670, no Jardim dos Lírios. A apresentação terá tradução simultânea para Libras.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“Racismo é um Projeto” traz para a pauta quatro pilares que são a base do racismo no Brasil: escravidão, eugenia, democracia racial e sistema midiático, bem como a desconstrução e descolonização de conceitos.

O projeto foi uma forma encontrada para unir o entretenimento com o letramento racial – Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com Adriana Brasil, a atividade une conhecimento e entretenimento, onde a palestra “se funde com a magia do teatro”, proporcionando uma abordagem inovadora  e aprofundada sobre a sociedade. 

“A palestra aborda o letramento racial, que traz consciência para compreender, analisar e interpretar criticamente questões relacionadas à raça, etnia e diversidade cultural do nosso país”, disse.

A palestra é aberta com uma apresentação teatral, com a peça “Eu, Você, Nossas Cores, Nossa Voz”. O enredo aborda a trajetória de duas mulheres marcadas pela história de luta e suor que se unem para trabalhar juntas, compartilhando momentos, vivências e memórias.

Dandara e Yalodê, além de serem amigas de longa data, são irmãs em uma batalha por um mundo mais justo e igualitário.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

A luta racial já faz parte do cotidiano de Adriana Brasil, que encabeça o projeto. Ela atua ativamente em projetos que envolvem a negritude, com trabalhos no Centro Cultural Candieiro, Conselho da Igualdade Racial de Americana e Unegro.  

Com a abertura dos editais para a Lei Paulo Gustavo, a militante viu a oportunidade de ampliar sua atuação. 

“Espero que através desse trabalho eu possa levar consciência de que forma se deu a nossa construção de sociedade. Isso é muito interessante porque ela pode despertar nas pessoas o sentimento de autoestima, pertencimento, de ser quem quiser nesse Brasil e ocupar qualquer espaço”, disse. 

Agenda

As atividades serão realizadas em outros dez locais em diferentes datas. A próxima delas será no dia 3 de junho na Escola Estadual Professora Delmira de Oliveira Lopes, na Rua dos Narcisos, 130, no Vila Mathiensen, às 8h.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

No dia 21 de junho é a vez da Escola Estadual São Vicente de Paulo, na Rua Dom Barreto, 1001, no Jardim Paraíso, às 9h30.

Outro local definido é a Casa de Dom Bosco, no dia 8 de agosto, às 16h30, na Rua dos Colibris, 235, no Vila Mathiensen.

Na APAM (Associação de Promoção e Assistência de Americana), o evento será no dia 27 de agosto, em três sessões: 9h, 14h e 15h30. O endereço é Rua dos Apeninos, 219, Jardim Alvorada. As demais datas das apresentações ainda serão definidas.

Publicidade