15 de abril de 2021 Atualizado 01:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Editorial

Questão de empatia

Por Redação

12 jan 2021 às 08:35

Uma das principais recomendações para se conter a pandemia do coronavírus, que já fez mais de 200 mil vítimas no Brasil, é evitar aglomerações. A orientação vale, inclusive, para pequenos encontros. No final do ano, por exemplo, especialistas sugeriram que as festas de Natal e Ano-Novo fossem mais restritas do que a de anos anteriores. Isso valia para encontros familiares, e sequer considerava a possibilidade de festas com centenas ou milhares de pessoas.

Há um temor de que o novo avanço das infecções pela Covid-19, já em alta, seja potencializado nas próximas semanas justamente pelo fato de que muitos não se comprometeram com tais orientações. As imagens do descaso com os cuidados com a pandemia rodam o noticiário e as redes sociais.

Pela região, não é diferente. Alguns estabelecimentos continuam a promover as aglomerações em seus ambientes ou no entorno. Atraem, na sua maioria, jovens – justamente o grupo em que se tem os maiores aumentos de infecções.

E, mesmo que aleguem cumprir com as orientações e obrigações sanitárias, como distanciamento ou uso de máscara, ignoram horários de funcionamento e, de qualquer forma, continuam a tirar pessoas de casa para se encontrarem com outras de outras casas, uma exposição arriscadíssima.

No meio de toda esta situação está o poder público, incapaz de dar conta do desrespeito às regras em prol da saúde coletiva, seja por falta de efetivo ou por mau planejamento na fiscalização. Nas brechas, a turma do “e daí” faz o que quer e continua com o ciclo de infecções.

O cidadão já tem claro que conter a pandemia não é apenas um trabalho de autoridades, mas de cada um reconhecer-se como possível vítima e transmissora desta doença e prezar pela própria integridade e pela do próximo. É questão de empatia e de senso de comunidade, e não de mero cumprimento a decretos, a decisões judiciais.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.