30 de outubro de 2020 Atualizado 22:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Artigos de leitores

Plano SP incomoda negacionistas

Por Marco Vinholi

24 jul 2020 às 08:05 • Última atualização 24 jul 2020 às 08:06

O Plano São Paulo é o mais completo e transparente projeto de enfrentamento da pandemia e retomada da economia. Anunciado em maio pelo governador João Doria, contou com o apoio de prefeituras, empresas e trabalhadores na definição de critérios para reabertura segura, ancorados na preservação da saúde e de vidas.

Os resultados positivos são inegáveis. Na capital e região metropolitana, a reabertura do comércio completou três semanas sem que houvesse nenhuma “explosão” de casos, pelo contrário.

O chamado “novo normal” começa a ser realidade, para contrariedade de grupos à extrema direita e à extrema esquerda, que apostaram no “quanto pior, melhor”. Os primeiros são os negacionistas da ciência, que se regojizam com o triste momento.

Os outros são as viúvas do passado recente, marcado por incompetência e corrupção. Na pandemia, apostaram que a saúde entraria em colapso. Perderam. Disseram que não haveria apoio aos vulneráveis. Erraram. Restou-lhes a crítica sonhática, idealizada em suposições, que se desmancham como fumaça face à realidade.

O fracasso desse grupo pode ser medido não pelo que fantasiam, mas pelo que gostariam de ter criticado e não conseguiram. A coordenação do Governo, a cooperação de setores econômicos e população silenciaram seu oportunismo. A começar pela impressionante expansão do atendimento no SUS. Em três meses, o governo criou sete novos hospitais.

É mais difícil sair da quarentena do que entrar. O Plano SP reconhece a dificuldade e prevê endurecimento, se necessário. A retomada das atividades, contudo, seria mais efetiva, garantindo mais empregos e renda, se a sociedade não tivesse que superar o boicote de negacionistas e oportunistas.

*Marco Vinholi é Secretário de Desenvolvimento Regional do estado de São Paulo

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.