04 de agosto de 2020 Atualizado 09:12

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Artigos de leitores

Costumeiro, sem ser desordeiro

Por Carlos Augusto de Oliveira

03 jul 2020 às 08:35

A palavra rotina, do frânces “routine”, representa e está muito ligada ao que é costumeiro e até mesmo mecânico em nosso cotidiano. Há quem defenda que devemos ter hábitos comuns e estruturados todos os dias, mas há também quem questione isso, principalmente por seu risco de marasmo.
A questão é: como estamos lidando com isso neste momento? Estamos realmente vivendo novos hábitos, criando novas e oportunas rotinas, capazes de fazer frente a todas as nossas dúvidas ou simplesmente estamos escravos da procrastinação crônica?

É claro que não estávamos preparados para tudo isso. Aliás, de modo geral a sociedade nunca está. Criamos perspectivas mirabolantes, planos, esquemas, mas quando o caos se apresenta, torna-se claro que vivemos de proposituras e somos reféns de nossas mazelas.

Vejo, ouço e leio vários relatos de pessoas que afirmam que desengavetaram sonhos, encaixaram novas atividades em seus dias e conseguem dar conta de tudo com primazia. No entanto, há muitos outros que expressam estar completamente perdidos, sem rumo e sem perspectivas.

O entendimento para ambos os casos é o mesmo. De modo geral, somos adaptáveis ao positivo ou negativo, dependendo de nossa atitude perante a adversidade. Vale ressaltar que isso não diz respeito às condições financeiras e sociais de cada qual, mas sim, e apenas, à maneira de gerenciar seus pensamentos.

Em verdade, sendo pessimista ou otimista, novos hábitos se apresentam, no afã de vislumbrar outra ordem mundial, com sociedades talvez muito mais coerentes, empáticas e ordeiras, cientes de suas limitações, mas também conscientes de suas possibilidades de reinvenção.

*Carlos Augusto de Oliveira é docente do Senac americana, palestrante e consultor

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.