22 de Maio de 2020 Atualizado 22:37

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Maior têxtil de Americana, Santista reduz jornada e suspende contrato de 1.160 funcionários

Empresa informou ao LIBERAL que reduziu em 70% a jornada e salário de 638 profissionais e em 25% a de outros 429 trabalhadores

Por George Aravanis

11 Maio 2020 às 18:46 • Última atualização 11 Maio 2020 às 18:47

Empresa informou ao LIBERAL que reduziu em 70% a jornada e salário de 638 profissionais e em 25% a de outros 429 trabalhadores - Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG

A Santista Têxtil, em Americana, reduziu a jornada e salário ou suspendeu o contrato de todos os seus 1.160 funcionários em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A empresa é a maior empregadora do segmento no município, de acordo com o sindicato dos trabalhadores.

A empresa informou ao LIBERAL que reduziu em 70% a jornada e salário de 638 profissionais e em 25% a de outros 429 trabalhadores. Os contratos de outras 93 pessoas foram suspensos. A Santista informou ainda que não demitiu ninguém.

De acordo com a empresa, hoje há produção nas linhas Workwear (produção de tecidos para roupas profissionais) e jeanswear (fabricação de tecidos para jeans), basicamente para atender pedidos.

Outras empresas do segmento quase não recebem pedidos e produzem somente para estoque.

A suspensão de contratos e redução de jornada foi permitida por Medida Provisória 936, do governo federal. As pessoas afetadas recebem ajuda financeira da União.

A Medida Provisória editada no início de abril diz que, no caso de redução salarial e de jornada, o governo pagará um benefício ao trabalhador, nos moldes do seguro-desemprego, para compensar a perda. A jornada e o salário podem ser reduzidos por até 90 dias.

Para quem ganha até R$ 3.135,00, se a empresa reduzir o rendimento em 50%, por exemplo, tem de cortar a jornada pela metade.

Nesse caso, o governo paga uma ajuda equivalente a 50% do seguro-desemprego. No caso da suspensão de contrato, que tem validade máxima de 60 dias, o governo bancará uma ajuda equivalente ao valor integral do seguro-desemprego.