18 de maio de 2022 Atualizado 16:40

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ILUMINAÇÃO

Americana quer fim de ‘pontos escuros’ pela cidade

Prefeitura conta com projeto para a instalação de lâmpadas em 27 locais que não possuem ponto de iluminação

Por Rodrigo Alonso

13 Maio 2022, às 07h32 • Última atualização 13 Maio 2022, às 07h33

A Prefeitura de Americana tem feito um trabalho para acabar com os “pontos escuros” da cidade, segundo o secretário de Obras e Serviços Urbanos, Adriano Alvarenga Camargo Neves.

Atualmente, o Executivo possui projeto para a instalação de lâmpadas em 27 locais que não possuem ponto de iluminação. O serviço, no entanto, ainda depende de aprovação da CPFL ou da chegada de materiais. “São pequenos trechos de rua que nunca tiveram iluminação. Tem o poste de energia, mas não tem a lâmpada”, disse.

Avenida Gioconda Cibin, entre os bairros Terramérica e Parque Universitário, ganhará iluminação – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Desses 27 pontos, 23 estão em análise na CPFL. Os trechos ficam nas seguintes vias: esquina das ruas Guiaba e Miranda, Avenida Bandeirantes (em dois pontos), Rua José Valentim Casatti, Rua João Santarosa, Avenida do Compositor, Avenida Lírio Correa, Rua Cinaldo Gomes, Rua João Damiese, Rua Camaquã, Rua Cardeal, Rua Anu Branco, Rua Tuiuiu, Rua Perdizes, Rua Antonio Ortolano, Avenida da Música, Rua Basilio Pilotto, Rua Pedro Dollo, Rua Irineu Penteado, Rua Jaime Gabriel dos Santos, Rua Xingu, Rua Índia e Rua da Prosperidade.

Os outros quatro aguardam material e estão localizados na Rua Paolo Dellagnese e nas avenidas da Saúde, Gioconda Cibin e Padre Oswaldo Vieira de Andrade.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

De acordo com Adriano, desde o início dos trabalhos, já houve instalação de iluminação nas ruas Francisco Giongo, Rosa Marchini Miante, Uirapuru, Antonio Meneghel, Carlos Gomes, Pastor José Fernandes Sobrinho, Mercúrio, Luiz Corsi e nas avenidas São Jerônimo, Affonso Pansan e Angelo Pascote.

“Não é uma coisa que vai lá e faz. A gente tem de aprovar um projeto na CPFL, pagar para a CPFL fazer essa expansão de rede e depois, com o contrato que a gente tem com a terceirizada, ela vai lá e coloca”.

Publicidade