07 de agosto de 2022 Atualizado 18:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Pressionado pelo PSDB, Doria tenta ganhar tempo e falta a reunião com tucanos

Maioria dos presentes à reunião da Executiva tucana manifestou descontentamento com a possibilidade de Doria ser candidato

Por Agência Estado

18 de maio de 2022, às 14h35 • Última atualização em 18 de maio de 2022, às 15h37

O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) decidiu não participar de um encontro com a cúpula tucana, que estava marcado para esta quarta-feira, 18, em Brasília, e tinha como objetivo fazer com que ele desistisse de ser candidato à Presidência.

O convite havia sido feito durante reunião da Executiva Nacional do PSDB, na noite desta terça, 17, mas a recusa de Doria já era esperada. “O momento é de diálogo. O projeto de construção política deve priorizar o Brasil e o povo brasileiro”, disse o ex-governador em mensagem publicada nesta quarta no Twitter.

A maioria dos presentes à reunião da Executiva tucana manifestou descontentamento com a possibilidade de Doria ser candidato à cadeira do presidente Jair Bolsonaro. Até parlamentares que antes atuavam como aliados dele, como o líder do PSDB no Senado, Izalci Lucas (DF), e o secretário-geral da sigla, deputado Beto Pereira (MS), passaram a destacar a inviabilidade eleitoral do tucano.

Depois que saiu do cargo de governador de São Paulo, Doria também perdeu o apoio de parlamentares do Estado. O presidente nacional do partido, Bruno Araújo, chegou a dizer a aliados que uma candidatura presidencial de Doria “mata” a tentativa de reeleição do governador paulista Rodrigo Garcia (PSDB). O argumento usado pela cúpula do PSDB é o de que Doria, além de não crescer nas pesquisas de intenção de voto, tem alto índice de rejeição.

Sentindo-se abandonado pelo PSDB, Doria preparou uma carta na qual acusa o comando do partido de “golpe” e de tentar agir no “tapetão”. Durante a reunião desta terça-feira, o deputado Carlos Sampaio (SP) chegou a dizer que o ex-governador cometeu um “erro jurídico e político” ao fazer a carta. A avaliação geral, até de aliados do paulista, é a de que a carta só serviu para ampliar a indisposição com Doria.

Os principais defensores de Doria no encontro foram o tesoureiro do partido, Cesar Gontijo; o ex-ministro Antonio Imbassahy e o presidente do PSDB paulista, Marco Vinholi, que também é o coordenador da pré-campanha.

A deputada Bruna Furlan, vice-presidente do PSDB, divulgou um vídeo horas antes da reunião na qual elogiou o ex-governador, mas não compareceu à reunião da Executiva tucana. “Nós devemos ouvir a voz dos filiados que elegeram, que decidiram e escolheram o nosso candidato à Presidência da República, João Doria”, disse.

O comando do PSDB queria anunciar nesta semana uma aliança com o MDB, que tem a senadora Simone Tebet (MS) como pré-candidata a presidente. Os dois partidos contrataram pesquisas qualitativa e quantitativa para definir uma candidatura de consenso. Tanto o grupo de Doria quanto o de seu rival, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), avaliaram, porém, que as pesquisas foram feitas sob medida para fazer com que Tebet seja a candidata, sob o argumento de que ela é menos rejeitada.

Aécio não quer que Doria seja candidato, mas também não quer adiantar uma aliança com o MDB. Para ele, o melhor caminho é convencer o paulista a abrir mão da candidatura para que o PSDB apresente outro nome, que poderia ser o do senador Tasso Jereissati (CE) ou o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite.

Sem consenso sobre uma chapa única, as duas legendas vão apresentar somente o resultado das pesquisas nesta quarta-feira. Até agora não há qualquer acordo na terceira via sobre a disputa presidencial. A tendência é que uma definição ocorra somente perto do período das convenções dos partidos, entre o fim de julho e o início de agosto.

Publicidade