21 de abril de 2021 Atualizado 08:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Totalmente vacinados podem ter encontros privados sem máscara, diz CDC dos EUA

Por Agência Estado

08 mar 2021 às 13:50 • Última atualização 08 mar 2021 às 14:37

A diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, Rochelle Walensky, anunciou nesta segunda-feira, 8, as orientações do órgão para contatos sociais entre pessoas que foram vacinadas contra a covid-19. De acordo com a cientista, quem estiver totalmente imunizado poderá realizar pequenos encontros privados com outros indivíduos que também estiverem vacinados sem a necessidade de usar máscaras. Em público, contudo, todos ainda deverão proteger o rosto, segundo o CDC.

Em uma coletiva de imprensa da força-tarefa da Casa Branca para o combate à pandemia, Walensky destacou que pessoas vacinadas contra o coronavírus também poderão visitar sem usar máscaras quem ainda não foi imunizado, mas não faz parte dos grupos de risco.

Em um terceiro cenário, no qual uma pessoa que tomou a vacina visita idosos ou pessoas com comorbidades, será preciso manter o distanciamento social e o uso de máscaras.

Walensky destacou que a imunidade completa contra a covid-19 ocorre duas semanas após a segunda dose dos imunizantes da Pfizer e da Moderna e depois da dose única da vacina da Johnson & Johnson.

A cientista comemorou o avanço da vacinação nos EUA, destacou que o país está imunizando mais de 2 milhões de pessoas por dia, mas ponderou que a pandemia “permanece uma situação muito perigosa”.

O conselheiro sênior da Casa Branca para a resposta ao coronavírus, Andy Slavitt, por sua vez, ressaltou a aprovação do pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão no Senado americano e disse que a proposta aumentará a capacidade de vacinação. “O Plano de Resgate Americano nos dará os recursos que precisamos para combater a crise”, declarou.

Como os senadores fizeram modificações no texto, o pacote fiscal ainda passará por uma nova análise da Câmara dos Representantes, antes de ir para a sanção do presidente dos EUA, Joe Biden.

Publicidade