22 de Maio de 2020 Atualizado 19:40

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Mundo

ONU pede ‘imunidade’ contra ‘vírus do ódio’ desenvolvido durante pandemia

Guterres pediu aos líderes políticos, instituições educacionais, mídia, sociedade civil e líderes religiosos que parem com essa tendência

Por Agência Estado

08 Maio 2020 às 10:34 • Última atualização 08 Maio 2020 às 13:47

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, fez um apelo global nesta sexta-feira, 8, para coibir e combater o discurso de ódio que se espalhou paralelamente à propagação da pandemia da covid-19.

“Devemos agir agora para fortalecer a imunidade de nossas sociedades contra o vírus do ódio. Portanto, hoje peço que não sejam poupados esforços para erradicar o discurso do ódio em todo o mundo”, disse, após alertar que “a pandemia continua desencadeando uma onda de ódio e xenofobia, procurando bodes expiatórios e fomentando o medo”. Guterres falou em um “tsunami de ódio e xenofobia”.

Numa época em que, segundo o secretário-geral , é preciso “todo o mínimo de solidariedade” para enfrentar a pandemia, houve um aumento do sentimento xenófobo na internet e nas ruas, das teorias da conspiração antissemitas e dos ataques a muçulmanos.

“Migrantes e refugiados foram considerados como fonte do vírus e imediatamente tiveram acesso negado a tratamento médico”, denunciou Guterres. Ele também lamentou que tenha surgido uma ideia “desprezível” sobre os idosos, que estão entre as vítimas mais vulneráveis, sugerindo que eles são os mais dispensáveis.

Jornalistas, profissionais de saúde, trabalhadores humanitários e defensores de direitos humanos “estão sendo atacados simplesmente por fazerem seu trabalho”, acrescentou.

Guterres pediu aos líderes políticos, instituições educacionais, mídia, sociedade civil e líderes religiosos que parem com essa tendência. “E peço a todas as pessoas, onde quer que estejam, que se oponham ao ódio, se tratem com dignidade e aproveitem qualquer ocasião para espalhar bondade”, concluiu o secretário-geral da ONU. (Com agências internacionais).