09 de agosto de 2022 Atualizado 23:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Irã condena ataque de Israel na Síria e critica planos da Turquia no país

Por Agência Estado

02 de julho de 2022, às 16h05 • Última atualização em 02 de julho de 2022, às 17h38

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, condenou, neste sábado, o mais recente ataque aéreo de Israel à Síria e criticou as recentes ameaças da Turquia sobre outra incursão planejada de Ancara no norte do país. As declarações do diplomata ocorrem no início de sua visita à Síria, onde ele deve discutir relações mútuas e assuntos regionais com altos funcionários sírios.

O Irã tem sido um dos mais fortes apoiadores do presidente sírio, Bashar Assad, enviando milhares de combatentes de toda a região para ajudar suas tropas no conflito de 11 anos na Síria. A guerra matou centenas de milhares e deslocou metade da população pré-guerra do país de 23 milhões.

A visita de Amirabdollahian começou horas depois que Israel realizou um ataque aéreo em uma vila costeira síria perto da fronteira com o Líbano, ferindo duas pessoas, segundo relatos da mídia estatal na Síria.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse recentemente que está planejando outra grande incursão militar na Síria para criar uma zona de proteção de 30 quilômetros ao longo da fronteira com a Turquia, prometendo lutar contra combatentes curdos sírios aliados dos EUA pelo território.

“Entendemos as preocupações de nossa vizinha Turquia, mas nos opomos a qualquer medida militar na Síria”, disse Amirabdollahian, acrescentando que o Irã está tentando resolver o “mal-entendido entre a Turquia e a Síria por meio do diálogo”.

Amirabdollahian se encontrou neste sábado com Assad, que disse ao enviado iraniano que os “pretextos da Turquia para justificar sua agressão na Síria são falsos, enganosos e não têm nada a ver com a realidade”. O gabinete de Assad também citou o presidente dizendo que a presença militar da Turquia na Síria viola o direito internacional. Fonte: Associated Press.

Publicidade