21 de abril de 2021 Atualizado 10:38

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Com enchente, dengue e covid-19, Acre chega ao 6º dia em situação de emergência

Por Agência Estado

21 fev 2021 às 11:52 • Última atualização 21 fev 2021 às 16:54

O Acre chegou ao sexto dia do decreto de situação de emergência neste domingo, 21, em meio a um cenário de enchente recorde, surto de dengue, pandemia da covid-19 e crise migratória na fronteira com o Peru. Pelo menos 130 mil pessoas foram atingidas pelas cheias dos rios e, segundo um balanço estadual, 1.354 famílias estão desalojadas ou desabrigadas.

A situação preocupa o governo diante da previsão de chuva intensa para a próxima semana em meio a um período de cheias, conhecido como “inverno amazônico”, o que poderia causar até mesmo o isolamento estadual por vias terrestres. Localmente, a situação já é considerada uma das mais graves da história do Acre.

No caso das cheias, ao menos dez municípios foram atingidos, incluindo a capital, Rio Branco. Os demais são: Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Tarauacá, Sena Madureira, Santa Rosa do Purus, Porto Walter, Feijó, Jordão e Rodrigues Alves. A enchente também afetou plantações ribeirinhas, causando prejuízos.

Na capital, o Rio Acre chegou a 15,77 metros na quarta-feira, 17, dois metros acima do nível de transbordamento, atingindo ao menos dez bairros. Em Tarauacá, estima-se que 90% do município foi afetado pela cheia do rio de mesmo nome. Já em Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves, o nível do rio Juruá é considerado o maior já registrado.

Em relação à pandemia, o Estado também está em nível de emergência (cuja classificação local é a cor vermelha) desde 1º de fevereiro, com reavaliação prevista para esta segunda-feira, 22. O governo Gladson Cameli (PP) já fala em temor por um possível colapso do sistema de saúde.

No balanço de sábado, a Secretaria de Estado de Saúde registrou 181 novos casos de coronavírus em 24 horas, chegando a um total de 54.743, dos quais 24.552 estão concentrados na capital. Outros 680 estão em análise. No mesmo período, foram registrados seis novos óbitos, o que elevou para 957 o registro de mortes desde o início da pandemia.

No sábado, o Estado estava com 357 pacientes internados com Síndrome Respiratória Aguda Grave, dos quais 278 tinham teste positivo para covid-19. Na rede de referência do Sistema Único de Saúde (SUS), a ocupação é de 91,1% nas UTIs e de 85% nos leitos clínicos. A média é ainda mais alta em alguns hospitais de referência, como o Geral de Clínicas de Rio Branco, que estava com 96% de ocupação no último balanço.

Ainda no setor sanitário, o Acre enfrenta um surto de dengue. Segundo o governo, cerca de 80% dos atendidos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Rio Branco são de pacientes com a doença. Na capital, há 8,6 mil casos suspeitos e 1,5 mil confirmados.

O Acre enfrenta ainda uma crise migratória na fronteira com o Peru. Cerca de 400 imigrantes, a maioria do Haiti e da Venezuela, estão acampados nas proximidades da Ponte da Amizade desde o dia 13. Eles reivindicam o retorno para os países de origem, o que não é possível por causa do fechamento de fronteiras motivado pela pandemia. “A retenção dos estrangeiros em Assis Brasil preocupa autoridades e moradores do município com um possível aumento nos casos de coronavírus”, alertou o governo estadual.

No sábado, o Estado lançou uma campanha para pedir doações de itens essenciais, como colchões e cestas básicas, na qual destaca: “O Acre precisa agora de todo o Brasil”. Nas redes sociais, a hashtag #SOSACRE chegou a ficar entre as mais compartilhadas nos últimos dias.

Publicidade