13 de junho de 2021 Atualizado 20:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Câmara conclui votação de Licenciamento Ambiental e texto segue para o Senado

Por Agência Estado

13 Maio 2021 às 18:41 • Última atualização 13 Maio 2021 às 18:58

Após seis horas de sessão, a Câmara concluiu a votação do projeto que flexibiliza as regras do licenciamento ambiental sem aprovar nenhuma mudança na proposta. O texto principal do projeto, criticado por ambientalistas, foi aprovado na madrugada desta quinta-feira, 13, por 300 votos a 122. Na sessão que teve início às 10h de hoje, os deputados analisaram 13 pedidos de alteração (destaques) e todos foram rejeitados. O texto segue agora para o Senado.

Entre as principais mudanças do projeto, está a dispensa de licença para projetos como obras de saneamento básico, manutenção em estradas e portos, distribuição de energia elétrica com baixa tensão, parte das atividades agropecuárias, entre outros.

A nova modalidade também repassa a Estados a prerrogativa de analisar os empreendimentos que precisam de aval para liberação, cria uma espécie de licença autodeclaratória para alguns casos e permite a unificação de etapas do licenciamento.

O texto de 2004 foi relatado pelo deputado e ex-ministro da Agricultura Neri Geller (PP-MT), vice-presidente da Frente Parlamentar Agropecuária, a bancada ruralista.

Segundo o relator, a lei busca reduzir “insegurança jurídica” em relação ao licenciamento. Para ex-ministros do Meio Ambiente, no entanto, a proposta distorce e fragiliza o procedimento, criando uma espécie de “regime de exceção”.

Defendido pelo governo como forma de reduzir obstáculos à modernização da infraestrutura no País, o texto foi duramente criticado pela oposição e deputados ligados à pauta ambiental. Vários deles disseram que a aprovação significa deixar “passar a boiada”, em referência à fala do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na reunião ministerial de 22 de abril de 2020, na qual defendeu enfraquecer normas ambientais enquanto a população atravessa a pandemia de covid-19.

“Consideramos um dos mais graves retrocessos na legislação ambiental do Brasil. É um grave passo atrás em um momento em que o mundo inteiro olha para o Brasil e espera um passo a frente”, afirmou o líder da Oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ).

Essa foi a primeira votação com o novo regimento que engessa a atuação da oposição e sem um prazo limite para a duração das sessões da Câmara.

Publicidade