30 de maio de 2024 Atualizado 00:00

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Com disputa fraterna e herança polpuda, Daniel Ortiz aposta nos dramas de ‘Família é Tudo’

Por GERALDO BESSA - TV PRESS

15 de abril de 2024, às 17h10 • Última atualização em 15 de abril de 2024, às 17h11

Como todo criador de histórias, Daniel Ortiz sabe bem que a inspiração não tem hora para chegar. Por isso, anda para todo lado com um inseparável caderno de anotações e atento a todas as ideias que possam surgir tanto durante o dia quanto à noite. Afinal, a história principal de “Família é Tudo” chegou até o novelista em uma noite de sono, em forma de sonho. “Eu já estava buscando inspiração para apresentar uma sinopse. Uma bela noite, sonhei com a história dessa família presa em um casarão após o sumiço da grande matriarca. Eles até estavam preocupados com o desaparecimento, mas todos queriam era mesmo saber da herança. Acordei desesperado para anotar tudo e não deixar os detalhes escaparem”, explica, entre risos

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Natural de Taubaté, interior paulista, Ortiz sempre foi um grande fã das novelas das sete. Não as recentes, mas as concebidas entre os anos 1980 e 1990 por nomes como Cassiano Gabus Mendes, Carlos Lombardi e Silvio de Abreu. Silvio, aliás, foi o grande mentor de sua escrita e principal entusiasta de seu crescimento dentro da Globo. Colaborador de tramas como “Passione” e o remake de “Guerra dos Sexos”, Ortiz virou novelista titular a partir de um incentivo de Silvio na espiritualizada “Alto-Astral”, de 2014, e fez uma grande homenagem ao então chefe da Teledramaturgia da Globo em “Haja Coração”, folhetim que atualizou o clássico “Sassaricando”.

Bom de audiência e afinado com o estilo do horário, em 2020, o autor teve a trama de “Salve-se Quem Puder” atropelada pela pandemia. Agora, na companhia do diretor artístico Fred Mayrink, seu fiel escudeiro de outras obras, torce por um trabalho sem grandes sobressaltos e com uma boa resposta de público. “Imprevistos acontecem, é claro. Tenho muita confiança no produto que estamos colocando no ar. Conseguimos escalar um elenco primoroso e temos uma história divertida e dinâmica. Além do riso, a trama também leva a uma reflexão sobre a complexidade de manter a união familiar”, defende.

“Família é Tudo” é sua quarta novela como autor titular na faixa das sete. O que este novo trabalho agrega a sua trajetória?

Eu amo a faixa das sete. Minhas obras anteriores tinham uma configuração mais clássica, com muito humor e aventura. Agora, saio dessa zona de conforto para flertar com uma história mais dramática por conta desse elemento familiar. Os protagonistas são cinco irmãos bem diferentes entre si e que brigam o tempo todo. Acredito que o público vai se identificar com as brigas.

Por quê?

Porque elas estão no nosso cotidiano e divergências são normais. São aquelas brigas bobas, tipo quem toma banho primeiro (risos). A mensagem da novela é a importância desse núcleo, que acaba sendo o nosso porto seguro. No caso da novela, essa família se perdeu, os laços foram cortados e, por força do destino, é necessário realizar uma espécie de resgate.

O texto tem alguma inspiração em sua própria história familiar?

Na verdade, coloquei nessa novela um pouco do que eu gostaria de ter tido na minha vida. Minha família é minúscula. Sempre sonhei em ter muitos irmãos, tias, tios e primos. Mas somos poucos lá em casa (risos). De tanto querer esse tanto de gente em volta, acabei sonhando com essa sinopse.

A história “Família é Tudo” veio completa no sonho?

Quase (risos). Eu estava na época de procurar uma sinopse. Sonhei com uma família presa em um casarão. A grande matriarca havia sumido e todos estavam preocupados com o destino da herança. Cheguei a trabalhar em outros argumentos, mas esse não saiu da minha cabeça. Aí resolvi trabalhar de fato neste enredo.

Originalmente, o nome da novela seria “A Vovó Sumiu”. O que achou da troca para “Família é Tudo”?

Acho que ficou mais completo e agregador. Junto com a direção artística da emissora, chegamos à conclusão que o eixo central da novela não é a busca desesperada por essa avó, mas sim sobre essa união familiar. Essas mudanças acontecem muito no decorrer da pré-produção da trama. Estou bastante feliz com este trabalho e também muito ansioso. A gente nunca sabe como o público vai reagir.

“Família é Tudo” – Globo – de segunda a sábado, às 19h20.

Publicidade