‘Vim buscar a medalha que ainda não tenho’, diz Ana Marcela Cunha


Ana Marcela Cunha nadou 41 quilômetros em seis dias de disputa do Mundial de Esportes Aquáticos, na Coreia do Sul, duas semanas atrás. Conquistou duas medalhas de ouro, nos 5km e nos 25km, e ainda garantiu a vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 com o quinto lugar na prova dos 10km.

Sem descansar, como conta nesta entrevista exclusiva ao Estado, ela começou a nadar assim que chegou ao Brasil na segunda-feira. Essa espécie de “Mulher de Ferro” estreia domingo pela manhã nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, perseguindo novas marcas. “Ainda não tenho uma medalha dos Jogos Pan-Americanos”, diz a nadadora em sua quarta participação no torneio.

Para conquistar a medalha de ouro nos 25km no Mundial da Coreia do Sul, você nadou por 5h08min. O que você pensa durante uma prova como esta?
Para mim, é uma coisa natural. Penso o tempo todo na prova. A cabeça leva meu corpo e ainda me divirto muito nadando. Para mim, a prova de 25 quilômetros não tem sacrifício.

Depois de tantas conquistas, como ser a recordista de medalhas em Mundiais, qual é a importância da disputa do Pan?
Embora tenha batido vários recordes no Mundial de Esportes Aquáticos, esta é uma medalha que não tenho na minha carreira e vamos em busca dela em Lima.

Como você espera o nível da prova do Pan? Quem são suas principais competidoras?
Espero uma prova de nível médio a forte, um nível comparável com uma etapa de Copa do Mundo. Não é igual ao Mundial, obviamente. Alguns países não levaram seus principais atletas para o Mundial para ficar treinando para o Pan de Lima. É o caso da Argentina, por exemplo. As principais adversárias são as norte-americanas e as argentinas. O Peru também foi muito bem no Mundial da Coreia do Sul.

Qual é sua estratégia para disputar o Pan logo depois do Mundial? O tempo de descanso foi suficiente?
Não teve descanso. Cheguei ao Brasil no domingo à noite com o fuso horário de mais de 12 horas. Na segunda-feira pela manhã já estava dentro da água, treinando. Aliás, neste dia treinei de manhã e à tarde. Eu continuei minha rotina de treinamentos normalmente. Não teve descanso.

A prova do Pan tem alguma particularidade, alguma característica diferente das outras?
A prova acontecerá numa lagoa pequena e extremamente estreita. É uma lagoa rasa. Teremos uma prova com cerca de oito a dez voltas, quando o habitual são quatro a cinco. Vai ser interessante ver o contorno de boia. Serão vários contornos. A temperatura estará razoável, entre 18 e 19 graus. Prova de muito contato e contorno de boia.

O que significa ser uma atleta bem-sucedida? Muitas mulheres, de várias áreas, apontam você como uma referência esportiva.
Sinceramente, nunca parei para pensar nisso. Sempre foquei no meu esporte e em fazer sempre o meu melhor. O sucesso não chega da noite para o dia. São anos e anos de dedicação, entrega, comprometimento e treinamentos. Enfim, nada caiu do céu. E isso vale para todas as profissões. O sucesso anda atrelado com o trabalho.

O que você faz nas poucas horas vagas?
Além de descansar, procuro estar com a minha família, minhas cachorras e as pessoas que gosto. Não sou muito de sair. Adoro comida japonesa e cinema.

Qual é seu calendário para o segundo semestre? Você já pensa na Olimpíada de Tóquio?
Ainda tenho muita competição pela frente neste ano. Quando voltar do Pan de Lima, eu ainda tenho mais cinco etapas da Copa do Mundo de Maratonas Aquáticas.

Como você se apresenta para alguém que nunca ouvir falar de suas marcas? Quem é a Ana?
Uma pessoa obstinada e que ama o que faz.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora