21 de abril de 2021 Atualizado 00:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Esporte

Com dores nas costas, Nadal desfalca a Espanha contra a Grécia pela ATP Cup

Por Agência Estado

04 fev 2021 às 11:25 • Última atualização 04 fev 2021 às 11:41

A ATP Cup, competição entre países que está sendo disputada nesta semana em Melbourne, serve de preparação para o Aberto da Austrália, que começa na segunda-feira, mas o tenista espanhol Rafael Nadal não está preocupado em jogá-la enquanto não estiver 100% fisicamente. O atual número 2 do mundo não enfrentou os anfitriões na estreia, por causa de dores nas costas, e já anunciou que não estará em quadra contra a Grécia, nesta sexta, no duelo que vale vaga nas semifinais.

“Não é algo grave, mas não estou bem o suficiente para jogar, especialmente em uma competição por equipes. Então, eu não vou jogar”, disse Nadal, em entrevista ao do canal de TV espanhol Movistar.

A princípio, o confronto entre Espanha e Grécia estava previsto para esta quinta-feira. Entretanto, toda a rodada foi cancelada nos seis eventos simultâneos do Melbourne Park (a ATP Cup, dois ATP 250 e três WTA 500) depois da confirmação do caso de covid-19 de um funcionário do hotel em que os tenistas estavam hospedados.

Questionado sobre os seus objetivos a curto prazo, Nadal se mostrou muito racional. “O primeiro objetivo agora é tentar recuperar o melhor possível. Creio que fiz uma boa pré-temporada e começo esta época com a máxima ilusão, treinei bem em Maiorca e Adelaide”, afirmou.

A possível conquista do 21.º Grand Slam da carreira foi tema da entrevista. “Não sei se vou chegar ao 21.º, não sou de grandes festas nem grandes dramas, nem quando ganho nem quando perco. A única coisa que posso fazer é continuar a fazer aquilo que tenho feito nos últimos anos: lutar cada dia para ser melhor e quando estou competindo, tentar obter os melhores resultados possíveis”, comentou.

“A realidade é que nunca fui obcecado pelos Grand Slams. O meu primeiro objetivo agora mesmo é o Aberto da Austrália, mas se não conseguir, não vai acontecer absolutamente nada (de ruim)”, concluiu o espanhol.

Publicidade