17 de abril de 2021 Atualizado 00:20

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Televisão

Raphael Vianna relembra dos bastidores de ‘Flor do Caribe’

Na pele do vilão Hélio, ator disse gostar de valorizar também os diversos momentos por trás das câmeras

Por TV Press

27 fev 2021 às 18:50

Durante uma novela, o trabalho diante do vídeo é o mais evidente. Raphael Vianna, porém, gosta de valorizar também os diversos momentos por trás das câmeras. Ao longo de “Flor do Caribe”, que voltou ao ar no horário das seis, o intérprete do ambicioso Hélio construiu uma intensa relação com Cyria Coentro e Luiz Carlos Vasconcelos, que interpretaram Bibiana e Donato.

O trabalho em “Flor do Caribe” reeditou uma parceria entre Raphael e o autor Walther Negrão e também marcou sua estreia ao lado do diretor Jayme Monjardim – Foto: Divulgação

Semanalmente, o trio se encontrava para debater os personagens antes das gravações. “A gente lia todas as cenas deles. Depois conversávamos sobre como iríamos abordar e caminhar com os personagens dentro daquela trama, procurando construir uma relação muito verdadeira com aquela família que era muito real”, explica.

Na trama de Walther Negrão, Hélio não se conforma com a vida simples que leva ao lado dos pais em uma vila de pescadores. Rapaz ganancioso, ele nem cogita ser pescador como pai ou dono de quiosque como a mãe. Em sua busca de ascensão, conquista a confiança de Dionísio Albuquerque, papel de Sérgio Mamberti, e trabalha como seu braço direito, sendo responsável por diversos esquemas do vilão.

“O Hélio foi muito importante. Um personagem de muito trabalho porque teve uma curva dramática interessante. Tinha uma coisa meio de vilão na história, um conflito de família, questões difíceis que eram abordadas. É um personagem que nunca vou esquecer. Marcou muito. Viver esse drama na construção dessa história foi muito prazeroso de fazer”, valoriza Raphael, que gravou algumas cenas no Rio Grande do Norte. “Foi muito especial essa vivência lá. Um lugar de uma natureza avassaladora, linda, potente, que nos afetava diretamente nessas gravações, foi um momento muito especial para gente e para a construção das nossas relações”, completa.

O ambicioso Hélio, no entanto, apresentou uma nova faceta de Raphael na tevê. O ator que estreou nas novelas em “Bicho do Mato”, da Record, colecionava uma série de mocinhos no currículo, como o Josué de “Amor Eterno Amor”. “Foi uma possibilidade de mostrar na televisão uma outra face minha como ator. Eu vinha fazendo muitos mocinhos e em ‘Flor do Caribe’ pude mostrar um outro lado, ter um personagem mais denso, com grandes conflitos e outras questões”, ressalta.

PARCERIA

O trabalho em “Flor do Caribe” reeditou uma parceria entre Raphael e Negrão. O ator já havia trabalhado com o autor em “Araguaia”. Além disso, o folhetim também marcou a estreia de Raphael ao lado do diretor Jayme Monjardim. Ele lembra bastante dos diversos momentos com a dupla.

“Durante nossa apresentação para imprensa, o Negrão falou do Hélio com muito carinho e fez referências ao meu trabalho e à minha pessoa. E o Jayme tem um estilo e uma condução dele. Eu lembro que no estúdio a gente tinha as câmeras bem no fundo da cena, e o Jayme, sempre muito atento ao ator, trocando muito e dando as suas indicações. E foi ótimo, realmente um trabalho muito feliz”, elogia.

Publicidade