19 de junho de 2024 Atualizado 23:41

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Jogo sobre a Yakuza será transformado em série no Prime Video

História se desenvolve entre 1995 e 2005, com cenas de ação marcadas por muito suspense

Por Agência Estado

10 de junho de 2024, às 07h20 • Última atualização em 10 de junho de 2024, às 08h42

Personagem principal será interpretado pelo ator Ryoma Takeuchi e a direção é de Masaharu Take - Foto: Divulgação

Inspirada pela saga de games da Sega, a série Like a Dragon: Yakuza será lançada em 25 de outubro, no Prime Video. O anuncio foi feito na terça-feira, 4, sem se definir o total de episódios. O personagem principal será interpretado pelo ator Ryoma Takeuchi e a direção é de Masaharu Take. E a história se desenvolve entre 1995 e 2005, com cenas de ação marcadas por muito suspense.

“O público vai gostar do drama humano e do conflito que se desenrola em torno de Kazuma Kiryu, além das cenas de luta intensas de Kiryu com a tatuagem de dragão nas costas”, antecipou Takeuchi em comunicado à imprensa.

Com dez títulos, o primeiro em 2005 e o último em 2021, a franquia foi desenvolvida e pensada para o PlayStation 2, mas hoje roda na maioria dos consoles, até nos portáteis.

Na história, após seu melhor amigo (Akira Nishikiyama) assassinar o chefe Yakuza Sohei Dojima, Kiryu assume o crime e fica preso por dez anos. Quando é solto, Kiryu descobre que 10 bilhões de ienes foram roubados do banco privado do seu antigo clã.

No Japão, uma das revistas mais tradicionais na cobertura de games, e em geral rigorosa, a Famitsu, elogia a série – o título Like a Dragon: Infinite Wealth recebeu a nota máxima. Com esse histórico, o Prime Video tem uma grande responsabilidade em agradar aos fãs.

Mas, enquanto a série se apropria do título do último lançamento da franquia, a marca optou por retirar o termo Yakuza. Um representante da Sega afirmou que o novo nome será Ryga Gotoku – em português, “Como um Dragão”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade