08 de março de 2021 Atualizado 14:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Histórias com velhas amarras

Mesmo na tevê aberta, “Manhattan Connection” mantém a mesma linguagem e linha editorial de antes

Por Márcio Maio / TV Press

18 fev 2021 às 07:39

Foram 28 anos de história em canais fechados até que o “Manhattan Connection” migrasse para a tevê aberta. Desde o dia 20 de janeiro, o programa, que estreou em 1993 e se mudou para a Globonews em 2011, passou a ser exibido pela TV Cultura. Uma alteração que, para muitos formatos, poderia significar uma adaptação de linguagem ou de linha editorial. No entanto, esse não foi o caso do programa liderado por Lucas Mendes nessas quase três décadas de história.

O “Manhattan Connection” é um programa que se sustenta pelo conteúdo e sua essência jornalística, liderado por Lucas Mendes – Foto: Divulgação

A verdade é que o “Manhattan Connection” é um programa que se sustenta pelo conteúdo e sua essência jornalística. Nesse sentido, além de Lucas, Caio Blinder, Diogo Mainardi, Angélica Vieira e Pedro Andrade contribuem. No estúdio, juntos, ficam Lucas, Caio e Pedro, depois de muitos meses com o trio dando expediente de casa, na fase final de sua passagem pela Globonews, em função da pandemia do novo coronavírus. Produtora executiva do programa, Angélica tem uma participação menor na frente das câmeras, em aparições externas quase sempre ligadas a um tema comportamental ou cultural.

Quando o “Manhattan Connection” deixou o GNT, a desculpa foi o foco do canal no público feminino. Curiosamente, a ida para a TV Cultura pode abrir espaço para que o programa tenha mais mulheres fazendo companhia a Angélica Vieira no grupo. Isso porque, com a saída de Ricardo Amorim, a equipe planeja experimentar algumas economistas como convidadas, de olho em fechar com pelo menos uma delas para permanecer fixa no time. Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, foi a primeira.

E, pelo menos por enquanto, a presença de um economista ali realmente faz falta, embora não chegue a limitar os assuntos discutidos com os convidados. Dia desses, a indústria automotiva foi rapidamente comentada, por exemplo, falando-se sobre a evolução dos motores elétricos e, consequentemente, o futuro do petróleo para o Brasil.

FOCO NA POLÍTICA

De qualquer forma, é a política que ainda ganha mais espaço no “Manhattan Connection”. Não à toa, a estreia na TV Cultura foi sobre a posse de Joe Biden nos Estados Unidos e teve a participação de dois ex-presidentes brasileiros: Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer – o que indica bem o discurso liberal do programa. E é principalmente quando a política nacional está em debate que Diogo Mainardi – que se refugia na Itália – se mostra mais presente. Nunca houve a menor intenção em esconder o posicionamento contrário à esquerda ou ao grupo do presidente Jair Bolsonaro. Um dos filhos dele, Eduardo, que é deputado federal por São Paulo, chegou a ser convidado para participar do programa nesta nova fase, mas não aceitou. Pelo menos foi o que disse Diogo Mainardi durante a coletiva de imprensa do “Manhattan Connection”.

Os convidados, aliás, são excelentes trunfos do grupo na defesa do liberalismo. Mesmo quando não se tratam de nomes tão conhecidos do grande público. Caso, por exemplo, da jornalista Samantha Pearson, repórter do “The Wall Street Journal”, que atua como correspondente do jornal estadunidense no Brasil, e da própria Zeina Latif. Como a cada semana os assuntos mais discutidos podem mudar radicalmente e pautas novas tendem a surgir, há um leque enorme de possibilidades para essa lista.

Na nova emissora, a exibição mudou de domingo para quarta-feira. Mas a TV Cultura soube dar seu jeito de manter fidelizado o telespectador que já estava acostumado com o antigo dia: escolheu justamente o domingo, às 23h, para reprisar o episódio do “Manhattan Connection” da semana. Além disso, é bem fácil assistir ao programa pelas redes sociais. E convém reconhecer que a novidade deu um novo fôlego à TV Cultura na internet. Basta olhar no canal da emissora no YouTube para ver que os vídeos com os episódios do “Manhattan Connection” na íntegra já são, com folga, os mais vistos entre os postados recentemente ali.

Publicidade