28 de fevereiro de 2024 Atualizado 15:16

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Grande sucesso do horário das sete, ‘Da Cor do Pecado’ completa 20 anos de exibição

Novela teve a primeira protagonista negra da Globo, vivida pela atriz Taís Araújo

Por Geraldo Bessa_TV PRESS

12 de fevereiro de 2024, às 08h09

Roteirista de longas de sucesso como “Central do Brasil” e “Deus é Brasileiro”, João Emanuel Carneiro já era reconhecido no meio cinematográfico quando resolveu investir na televisão. Na virada dos anos 2000, firmou-se como colaborador de Maria Adelaide Amaral em minisséries como “A Muralha” e “Os Maias” e entrou para a equipe de Alcides Nogueira em “Desejos de Mulher”.

Incentivado por Silvio de Abreu e Denise Saraceni, João resolveu tentar uma vaga no grupo de novelistas do horário das sete e acabou entregando uma sinopse de novela à cúpula da emissora. Sem resposta, quase um ano depois, o autor estava prestes a ingressar como colaborador de Gilberto Braga em “Celebridade” quando teve a sinopse aprovada pela Globo.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Com direção geral de Saraceni e supervisão de texto de Silvio, a história de “Da Cor do Pecado”, que completa 20 anos de exibição esse mês, já nasceu dando o que falar por ser a primeira novela da Globo protagonizada por uma atriz negra, a Preta de Taís Araújo – atriz também fez a personagem-título de “Xica da Silva” na Manchete, a primeira protagonista negra na história da telenovela brasileira.

“A novela não foi pensada para falar de racismo. Apenas queria contar essa história de amor de contrastes sociais. No entanto, em um país racista como o Brasil, ter uma negra no papel da heroína romântica causou grande curiosidade. Aproveitei esse burburinho para contar uma trama forte sobre quebra e reconstrução de laços familiares”, explica Carneiro.

Na trama, o envolvimento sexual do poderoso empresário Afonso e sua empregada Edilásia, personagens de Lima Duarte e Rosi Campos, termina com ela grávida. Sem querer magoar a esposa de saúde debilitada, Afonso abre o jogo com sua mulher, que aceita criar o fruto da traição. Disposta a fugir, Edilásia esconde do patrão que, na verdade, está grávida de gêmeos. Persuadida pela governanta Germana, de Aracy Balabanian, a empregada deixa um dos meninos para ser criado por Afonso e foge com o outro.

Quase três décadas depois, Paco, vivido por Reynaldo Gianecchini, é um botânico em eterna guerra de valores com o próprio pai. Enquanto Apolo leva uma vida simples ao lado da mãe e dos quatro meios-irmãos: os lutadores Ulisses, Thor, Abelardo e Dionísio, de Leonardo Brício, Pedro Neschling, Caio Blat e Cauã Reymond,

Reynaldo Gianecchini e Taís Araújo protagonizaram a produção – Foto: Divulgação_TV GLOBO

Em uma viagem ao Maranhão, Paco acaba se apaixonando por Preta ao vê-la dançar em uma tradicional roda de Tambor de Crioula. O amor à primeira vista dos dois é alvo de uma armação feita por Bárbara e Kaíke, vilões de Giovanna Antonelli e Tuca Andrada.

Noiva de Paco e com o relacionamento em crise, o sonho de Bárbara é sair da decadência e ficar com toda a fortuna da família do noivo, só que Paco acaba descobrindo as armações e o caso extraconjugal que ela mantém com o comparsa.

Novela é a de maior audiência do horário nas últimas duas décadas

Oito anos se passam e o destino acaba por unir os gêmeos. Apolo é supostamente assassinado por bandidos, enquanto Paco sobrevive a um acidente de helicóptero provocado por Bárbara. Encontrado desacordado por Ulisses e disposto a sumir da vida cheia de mentiras, dor e traições que levava, Paco assume o lugar de Apolo. Bárbara comemora a morte do ex e tem em mãos o trunfo de ter tido um filho com ele, Otávio, de Felipe Latgé.

Ao mesmo tempo, Preta chega ao Rio de Janeiro disposta a provar que o pequeno Raí, de Sérgio Malheiros, é filho legítimo de seu amor do passado.

As gravações de “Da Cor do Pecado” começaram em outubro de 2003, uma equipe de cerca de 50 pessoas passou cerca de um mês em São Luís, capital do Maranhão. De volta ao Rio de Janeiro, as gravações passaram pela bucólica Restinga da Marambaia, Zona Oeste da capital carioca, que abrigava o núcleo dos Sardinha, a família de lutadores comandada por Mamuska, de Rosi Campos.

Apesar da história central densa e das muitas vilanias, a novela também tinha fortes núcleos cômicos, em especial, o protagonizado por Matheus Nachtergaele, que fez seu début em novelas na pele do divertido Pai Helinho. Com 188 capítulos e média geral de 45 pontos, “Da Cor do Pecado” continua sendo a novela das sete de maior audiência das últimas duas décadas.

“Da Cor do Pecado” – Novela completa disponível no Globoplay

Publicidade