19 de abril de 2021 Atualizado 22:39

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Televisão

Bandeira ecológica

Intérprete do ativista Gregory, de “Aruanas”, Gustavo Vaz fala sobre as incertezas de gravar a segunda temporada da série em meio à pandemia

Por Geraldo Bessa / TV Press

03 abr 2021 às 10:45

Gustavo Vaz é do tipo que está sempre envolvido com algum projeto. Aproveitando-se da liberdade de ser contratado por obra, ele vinha em uma crescente de personagens em diferentes plataformas como Netflix e Globoplay, além de projetos mais autorais no teatro e na literatura. Feliz com o rumo que a carreira estava tomando, o estilo “workaholic” de Vaz acabou sendo atropelado pela pandemia de coronavírus.

Atualmente, o ator escreve seu primeiro livro, “Como Não Morrer de Uma Só Vez” – Foto: Divulgação

Entre os principais projetos que tiveram de ser paralisados está a segunda temporada de “Aruanas”. No “thriller” ecológico dirigido por Carlos Manga Jr., Vaz vive o idealista Gregory. “Acredito que, assim como para todas as pessoas que se sensibilizam com o momento difícil que vivemos, foi bastante complicado. A falta de perspectivas que se apresentou e ainda se apresenta de alguma maneira, nos deixa, de vez em quando, com uma sensação de vazio e de desesperança. Mas as gravações estão retornando, seguindo os protocolos com muito rigor. Em breve todos poderão assistir ao resultado desse trabalho lindo”, destaca.

Na primeira temporada, a produção abordou a poluição do solo e da água no coração da Amazônia. Na nova leva de episódios, os autores Estela Renner e Marcos Nisti decidiram abordar a poluição do ar, que segundo a Organização Mundial de Saúde, mata cerca de 7 milhões de pessoas por ano no mundo.

Questões logísticas de gravação acabaram combinando com a nova temática da série, que tem a urbanidade de São Paulo como principal cenário da história. Neste contexto, Gregory continua a defender o meio ambiente ao lado das protagonistas Natalie, Verônica, Luiza e Clara, papéis de Débora Falabella, Taís Araújo, Leandra Leal e Thainá Duarte, respectivamente.

“Gregory é um personagem conectado com a natureza, empático e dedicado à defesa da vida. Ele tem uma função muito pontual nessa segunda temporada, que certamente vai deixar o público surpreso”, desconversa Vaz, fazendo mistério sobre os rumos do personagem.

GRAVAÇÕES E PROTOCOLOS

Com gravações previstas para meados de 2020, a equipe de “Aruanas” só voltou mesmo para as ruas de São Paulo em janeiro deste ano. O aumento no número de casos de coronavírus na cidade, entretanto, causou mudanças no roteiro e uma atenção maior aos protocolos de segurança na captação das cenas.

“Os protocolos são fundamentais para manter a saúde de todos no set e estamos nos adaptando bem à nova realidade. Porém, todo o processo de trabalho fica mais lento”, analisa.

Depois de uma estreia de sucesso no Globoplay, em 2019, “Aruanas” acabou sendo exibida na tevê aberta em meados do ano passado. Ao chegar a um público maior, a cobrança pela segunda temporada acabou aumentando. Principalmente, nas redes sociais. “A série traz uma discussão extremamente importante para os dias atuais, o cuidado e a preservação do meio ambiente. Fazer com que esse tema chegue a um grande número de pessoas é recompensador. Junto a isso, o carinho do público comigo e com meu trabalho também foi enorme, o que me deixou muito feliz”, valoriza.

Natural do Rio de Janeiro, mas radicado em São Paulo desde 2005, Vaz já era um ator prestigiado nos palcos quando deu seus primeiros passos na tevê, com um pequeno papel na minissérie “Maysa: Quando Fala o Coração”, de 2009. Com passagens por emissoras como TV Cultura, GNT, HBO e Space, entre outras, ele assume que seu pouco investimento inicial no vídeo se deve aos projetos autorais que gosta de desenvolver com seu grupo teatral, a ExCompanhia de Teatro.

Atualmente, o ator escreve seu primeiro livro, “Como Não Morrer de Uma Só Vez”, e espera a liberação dos teatros para voltar aos palcos com a peça “A Voz de Iara”. “Esse espetáculo é um documentário cênico biográfico no qual busco encontrar a voz fisiológica e existencial da minha mãe”, conceitua. Até o final do ano, ele pretende participar das ações de lançamento de “O Jardim Secreto de Mariana”, longa do diretor Sérgio Rezende, em que divide o protagonismo com Andreia Horta. “É uma pena não podermos lançar o filme nos moldes usuais. Ao mesmo tempo, é de uma alegria enorme poder reafirmar a importância da arte e do cinema nacional neste momento. No filme eu interpreto o Gilberto, um psicanalista ansioso que encontra na Dani, personagem da Andreia, seu par perfeito e imperfeito ao mesmo tempo”, adianta, entre risos.

Publicidade