20 de outubro de 2020 Atualizado 23:45

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

Vigilância necessária

Por Redação

06 out 2020 às 08:48

No ano passado, uma investigação da Dise (Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes) apontou que o Aeroporto Municipal de Americana era usado como um entreposto para o tráfico de drogas internacional. Logo após as revelações sobre o esquema, a vigilância no local voltou à pauta.

Reportagem do LIBERAL mostrou, por exemplo, que uma lei que poderia monitorar o tráfego no aeroporto existe na cidade, mas não era aplicada. O espaço, apesar de pertencer à prefeitura, não possui qualquer tipo de fiscalização sobre pousos e decolagens – em tese, não há nada na legislação que obrigue a administração a manter registros da movimentação.

Não por acaso, pela falta de controle, os aeroportos de pequeno porte, em cidades interioranas, são um ponto estratégico para o tráfico aéreo de drogas. Além de escaparem da fiscalização dos administradores, conseguem fugir ainda da própria polícia, que foca a vigilância pelas vias terrestres.

Pouco depois da repercussão das investigações, o prefeito Omar Najar (MDB) afirmou que o aeroporto passaria a contar com câmeras de segurança. Neste domingo, o LIBERAL mostrou que as câmeras foram instaladas em agosto e estão operantes. É uma medida importante, a qual é fundamental a integração com as forças de segurança. Ainda está pendente que a Gama, por exemplo, se utilize do monitoramento remoto.

Apesar da nova forma de vigilância, a fiscalização de pousos e decolagens, em tese, por mais complexa que seja, promoveria um cerco maior ao movimento no local. É algo que a administração deveria cogitar para ajudar no trabalho de evitar que os crimes perdurem por ali.

Em agosto, uma operação da Polícia Federal apreendeu aviões e helicópteros de uma organização criminosa que enviava toneladas de cocaína para a Europa. Dentre os presos, estava justamente um permissionário dos hangares do aeroporto de Americana.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.