13 de agosto de 2022 Atualizado 22:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Alessandra Olivato

Vergonha alheia

Faço meus próprios comentários à cena protagonizada pela cantora Bebel Gilberto, ao pisotear a bandeira brasileira em um show

Por Alessandra Olivato

03 de agosto de 2022, às 07h32

Faço meus próprios comentários à cena protagonizada pela cantora Bebel Gilberto, ao pisotear a bandeira brasileira em um show para cerca de 500 pessoas na Califórnia, nos Estados Unidos, em 19 de julho. Filha da também cantora Miúcha e do ovacionado João Gilberto e sobrinha de Chico Buarque, a cantora resolveu se desculpar após as críticas recebidas. Entretanto, a justificativa do pedido de desculpas, na minha opinião, só não foi pior que o próprio ato: “Foi um ato impensado meu, porque se tivesse tido tempo de raciocinar teria me ocorrido que eu estava entregando de presente para a extrema-direita uma imagem com a qual poderiam destilar seu ódio repugnante e seu falso patriotismo”.

Olha, é difícil até de comentar. Em primeiro lugar, é de um esnobismo sem tamanho. Além do inegável e primordial respeito que devemos como cidadãos a símbolos nacionais com a bandeira, o que na minha singela opinião tampouco deveria estar atrelado  a qualquer ideologia política, remete também à falta de educação – já que é no mínimo deselegante a atitude num evento social desse porte. Também apenas segundo minha parcial análise, deixa flagrante a principal motivação de pessoas que costumam ter o mesmo tipo de atitude e argumento: a necessidade incrível de reafirmar sua opinião e seu ego, já que ela também justificou a plateia com um quase “sou obrigada a fazer isso”.

Vou mais. Denota também falta de inteligência. Certamente muitos já devem ter percebido que uma característica padrão dos cidadãos das ditas sociedades desenvolvidas e países ricos é um não disfarçado ufanismo patriótico, o que, vale lembrar, não é excludente a uma postura autocrítica. Para exemplificar, tomemos os ingleses, que se utilizam muito bem de um bom nível educacional além de um humor ácido e peculiar para criticarem seus governos e suas tradições. Sim, é verdade. Mas alguém já viu um inglês bradar à imprensa internacional sobre não querer ser inglês ou pisar na bandeira de seu país? Então acreditar que sambar sobre a bandeira ou só falar mal o tempo todo do Brasil é bonito, desculpe, é de uma ignorância incompreensível pra mim. Será que Bebel Gilberto e tantos outros que assim agem nunca perceberam isso?

Finalmente, além da falta de respeito, educação, bom-senso e inteligência, falta sobretudo gratidão, porque o fato é que a cantora só é um pouco conhecida por causa de seu pai, que por sua vez alçou fama mundial a partir dessa terra aqui, com os recursos daqui e por meio de pessoas daqui. Inclusive, não foi Bebel também privilegiada por recursos públicos do seu país quando recebeu quase R$ 2 milhões de reais em 2011 para patrocinar sua turnê no país?

Se é uma coisa que me causa profunda vergonha alheia é brasileiro querer passar de chic ou melhor do que seus conterrâneos porque reclama do país. E, pior, na grande maioria dos casos, com bastante ignorância sobre as causas históricas ou conjunturais sobre nossos problemas. Que vergonha que eu tenho de gente também que acha que só porque mora fora e fala inglês é superior a qualquer outro brasileiro que mora aqui e labuta todo dia.  

Bebel, faça-nos um favor: não volte mais e nunca mais se beneficie de coisa alguma que sua terra natal possa te oferecer. Passar bem.

Alessandra Olivato

Mestre em Sociologia, Alessandra Olivato aborda filosofias do cotidiano a partir de temas como política, gênero, espiritualidade, eventos da cidade e do País.