27 de setembro de 2020 Atualizado 11:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Blog da Eclética - por Jucimara Lima

Sem cerimônias com: Francieli Assarisse

Por Jucimara Lima

14 ago 2020 às 16:44

Fran Assarise é uma das entrevistadas do Música e Moda do próximo domingo - Foto: Jucimara Lima

Francieli Assarisse é formada em Engenharia Química, começou sua trajetória profissional como estagiária em uma multinacional de autopeças e depois de muitos anos atuando no mundo corporativo, cogitou a possibilidade de passar por uma transição de carreira. Estudiosa, ela mergulhou nesse universo, se formou como consultora de moda pelo Senac Americana e, depois de uma demissão, acabou dando uma virada em sua vida. Domingo, no programa Moda e Música, ela é uma das entrevistadas com quem eu, Valéria Barreira e Cris Corrêa bateremos um papo, a partir das 10h, na rádio FM Gold 94.7. Sendo assim, para deixar um gostinho de quero mais, Eclética conversou com ela. Acompanhe!

Como a área de moda acabou tirando a engenheira do mercado corporativo?
Trabalhar no corporativo não era mais meu objetivo. Com 41 anos e um filho pequeno, queria ter mais qualidade de vida e menos carga de trabalho.Sempre fui muito ligada na importância da imagem pessoal, principalmente para o trabalho, inclusive muitos colegas me procuravam para ajudá-los, então vi nisto a possibilidade de dar uma virada.

Atualmente, qual é sua formação na área de moda?
Comecei a pesquisar cursos, até que encontrei um que me interessou muito no Senac de Americana que era Consultoria de Imagem Moda e Estilo. Conclui o curso em agosto e, antes de terminar, comecei a realizar algumas consultorias com amigos e não parei mais. Me formei em Análise de Coloração Pessoal, fiz mentoria e Personal Branding, me afiliei na FIPI Brazil (Federação Internacional de Profissionais da Imagem). Além disso, fiz cursos de criação de conteúdo para redes sociais, como vender
pelo Instagram, Consumo consciente e práticas sustentáveis, entre outros.

Como surgiu o Santo Desapego?
O Santo Desapego nasceu em 15 de maio deste ano. Resolvi trabalhar com o brechó, pois sempre garimpei em brechó, adoro a exclusividade, qualidade e preços baixos. Já tinha feito dois bazares com minhas roupas e deram super certo, levantei uma grana bacana.
Foi então que resolvi rascunhar um modelo de negócio, que é brechó e outlet|ponta de estoque).

Como é feita a curadoria das peças do Santo Desapego?
A curadoria eu faço de acordo com o perfil do meu público e analiso a qualidade das peças. Quando me perguntam se podem me trazer uma sacola de roupas para análise, eu sempre falo para trazer roupas em
ordem, o que seria isso que ela compraria em um brechó.

Como é seu sistema de trabalho?
Eu trabalho com consignação, então o que eu vendo, 70% é meu e 30% da pessoa. Pago no início de cada mês as peças que foram vendidas, durante o mês. Fico um tempo com essas peças para poder trabalhar na venda e o que não vender eu devolvo. O estoque não é meu. Sendo assim, dá para ganha uma graninha muito boa vendendo roupas para brechós.

Deixe uma dica para quem quer garimpar em brechós, mas não tem o costume.
Uma dica para quem quer garimpar em brechó é: se for on-line procure indicações de quem já comprou neste brechó. Brecho físico é mais fácil, pois você verá a peça na mão. Se for uma marca de luxo, por exemplo, geralmente elas têm código de garantia de originalidade. É muito
importante verificar isso para não comprar gato por lebre. Sempre pesquise antes o preço de uma peça nova e de uma usada, pois muito barato também pode ser que não seja original ou tenha algum dano mais sério.

Jucimara Lima

Blog da colunista social do LIBERAL, Jucimara Lima, com notícias e informações sobre Americana e região!