22 de outubro de 2020 Atualizado 08:33

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia no dia a dia

Queimando dinheiro!

Leia o artigo desta semana do professor Marcos Dias

Por Marcos Dias

25 set 2020 às 11:55

Nosso país sempre foi respeitado, nos últimos 30 anos, como uma potência mundial! Não uma potência econômica ou militar, mas sim como uma potência ecológica. Nossa biodiversidade e as medidas adotadas para preservá-la nos tornaram referência mundial em ecologia. E isso gera divisas internacionais, ou seja, contribui para o enriquecimento do país.

A nossa produção agropecuária de forma sustentável e ecologicamente correta é hoje um dos grandes trunfos para o comércio internacional, pois ela serve como um elemento de propaganda e de convencimento aos países importadores de nossos produtos, principalmente os mercados europeu e estadunidense. Nosso país, que já é o segundo maior exportador de alimentos do mundo, pode tirar grandes vantagens a partir da sua liderança na sustentabilidade da produção agropecuária.

Porém, no caso da negligência ou incompetência na preservação de nossas riquezas naturais, nosso país sempre será bastante questionado pelos seus parceiros comerciais, principalmente os europeus, podendo até sofrer sanções ou retaliações na importação dos produtos agropecuários. E isso seria um grande prejuízo para as exportações brasileiras, pois depois da China, a União Europeia é a segunda região importadora de produtos brasileiros, com US$ 17,8 bilhões, conforme os dados de 2018.

Além disso, seria uma grande perda interna, por conta dos esforços realizados pelo país nos últimos anos para tornar sua produção sustentável e de fácil apelo comercial aos países europeus: a) a produção agropecuária brasileira é localizada fora de áreas protegidas; b) temos uma das legislações ambientais mais rígidas do mundo, que faz com que a maior parte do território do país (mais de 66%) seja preservado; c) toda a produção de grãos, de fibras, sucroalcooleira e florestal é localizada em somente 9% do país, conforme dados da Embrapa; d) há cerca de 115 milhões de hectares de terras cultiváveis para expandir a produção agrícola de forma legal e sustentável, sem agredir o meio ambiente.

Por isso a atual crise ambiental pela qual estamos passando, com repercussão pelo mundo todo, pode representar uma grande perda comercial para a economia brasileira, pois poderá atingir as exportações de produtos agropecuários para os países europeus, principalmente. E isso afetará diretamente a produção agropecuária do nosso país, com destaque para as regiões Sul e Centro-oeste, cujo destino é, em sua maioria, a exportação para esses países.

Assim, espera-se que o atual governo passe a considerar os efeitos negativos de suas ações (ou falta de) ambientais para exportação dos produtos agropecuários brasileiros, com risco de, ao permitir passivamente o aumento das queimadas, queimar também dinheiro internacional, do qual tanto precisamos.

Marcos Dias

Conteúdo desenvolvido pelo economista e professor de economia da Fatec (Faculdade de Tecnologia) de Americana, Marcos Dias.