28 de setembro de 2020 Atualizado 22:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

O Rio de Janeiro continua…

Por Redação

29 ago 2020 às 09:32

De novo, o Rio de Janeiro surge no noticiário como palco de mais um escândalo político dos tempos recentes. Lamentavelmente, o Estado, que se divide entre símbolo do turismo brasileiro e antro da criminalidade, especialmente do tráfico de drogas, sofre com desmandos.

Desta vez, o alvo é o governador Wilson Witzel (PSC), sobre quem recai a acusação de que participou de esquema de desvio e lavagem de recursos de contratos relacionados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Estado.

A pedido da Procuradoria-Geral da República, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou que fossem presas 17 pessoas, dentre elas, o Pastor Everaldo, candidato à Presidência da República em 2014 e atual presidente do PSC. A Procuradoria chegou a pedir a prisão do governador, que foi negada, mas conseguiu a autorização para fazer buscas em endereços ligados a ele e à primeira-dama do Rio. Além dos mandados, o STJ decidiu ainda pelo afastamento de Witzel do cargo por 180 dias.

Em fala à imprensa, o governador negou as acusações e disparou contra “interesses poderosos” que, segundo ele, o querem fora do cargo. A menção pode ser entendida como uma referência a seus inimigos políticos, o presidente Jair Bolsonaro e à subprocuradora responsável pela investigação, que teria relação com a família Bolsonaro.

A situação é lastimável e joga mais uma vez na lama o estado e a população do Rio. O próprio nome da operação dá o tom do cenário por lá, Tris in Idem, uma referência ao terceiro governador que faria uso de esquema semelhante de desvio de dinheiro – os outros foram Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, que assaltaram os cofres públicos.

O estigma da corrupção volta a arder no estado no mais alto nível de governo em meio a desafios gigantes. Não há hora boa para situação do tipo, mas esta não poderia ser pior.

O Liberal

Neste blog você encontra a opinião do Grupo Liberal de Comunicação, por meio dos textos editoriais publicados na edição impressa.