02 de junho de 2020 Atualizado 22:27

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Artigos de leitores

O perigo mora perto

Por Oswaldo Vicentin

24 abr 2020 às 13:26 • Última atualização 27 abr 2020 às 13:27

De acordo com informações do IBGE, 70% da população não possui saneamento básico, e também 70% da população não temi casa e uma boa estrutura familiar. Essa é a raiz do problema e da desigualdade brasileira. E isso vem desde a Lei Áurea, em 1888, em que os mandatários sugaram, tiraram e nunca devolveram bens para uma população negra. “O problema da desigualdade social no Brasil é a falta de dinheiro para muitos, e o excesso nas mãos de poucos”. Frase de Ibrahin Sued.

O resultado dessa desigualdade e que estamos vendo como aumento dos assaltos, tiroteios, balas perdidas, tráfico de drogas, falta de cadeias e de médicos, como também falta de condições para uma educação mais eficiente.

Gente pagando, gente sem poder pagar aluguel, e por causa disso temos gente morrendo soterrada por ter que morar embaixo de pontes. Como dói! Meu Deus! E quando os necessitados ocupam lugares ou prédios inabitáveis são despejados brutamente.

Tem gente com propriedade do tamanho do território da Alemanha ou da Inglaterra. Donos de bancos. Não quero me referir aos ricos agropecuários, nem aos ricos industriais ou comerciantes honestos, que dão serviço à população. Porque os pobres precisam dos ricos e os ricos precisam dos pobres empregados. Estou falando de gente herdeira desde as capitanias hereditárias. Estou falando de gente que nasceu em berço de ouro cheia de supérfluos. Felizmente tem gente milionária e boa, mas, que nem sabe o que fazer com o dinheiro.

Tenho a de sugerir para essa gente de coração bom a possibilidade de formar uma Sociedade Anônima de Ajuda às Famílias. Obviamente, famílias sem estruturas básicas de residência e materiais para educação.

  A sociedade seria regulada por Estatuto, sem visar lucro, mas, teria o maior lucro de todos os tempos, pois, acabaria com tanta insegurança e violência. Deste mundo passageiro ninguém leva nada a não ser a lembrança de boas obras. Com a palavra então os senhores governantes e gente abastada. E não esperem a vaca ir para o brejo para depois fechar a porteira. O perigo mora perto!

*Oswaldo Vicentin é escritor

Colaboração