28 de setembro de 2020 Atualizado 22:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Artigos de leitores

O artesanato da psicologia e psiquiatria

Por João Francisco Mantovanelli

03 set 2020 às 10:09

Hodiernamente com a psicologia atrelada a seara da psiquiatria onde encontra-se medicalização assídua para qualquer conflito intrapessoal se estendo ao estado interpessoal, onde o psiquiatra receita antidepressivo para quaisquer sintomas de angústia, tristeza, quadro leve de depressão, agressividade, sem antes haver uma consulta psicológica séria para ouvir ao paciente e realmente compreender os motivos, ouvindo todo o histórico social, familiar, pessoal, para realmente compreender os motivos destes sentimentos ruins.

Muito diferente para compreender, entender e aconselhar ao paciente a praticar esportes, leituras e outras atividades. Como método de melhorar o humor, canalizar as ruins emoções. Ao invés de apenas ministrar medicamentos onde há dependência e tolhe a autonomia do paciente, a liberdade, onde o paciente conseguirá enfrentar conflitos através do diálogo, refletindo consigo mesmo sobre o luto, a nostalgia, a tristeza pelo falecimento do animal de estimação.

Levando em consideração ações de impor aos pais ou responsáveis por crianças e adolescentes considerados pela escola ou pela família que os mesmos não se comportam. E o psicólogo logo recomenda ou faz uma carta de encaminhamento ao psiquiatra recomendando psicotrópicos de uso controlado e com a tarja preta. Ora, é mais fácil indicar, recomendar e acompanhar o paciente no uso de psicofármacos de modo empírico, sem um trabalho árduo clínico, para fomentar as indústrias farmacêuticas.

Isto posto, diante de um quadro clínico comprovado com estudos e pareceres médicos onde um paciente realmente se encontra em estado com tendências ao suicídio, e até mesmo a prática de eletroconvulsoterapia é fundamental para ajudar no bem-estar físico e mental do paciente. Mas, o atendimento artesanal é o melhor remédio.

João Francisco Mantovanelli é educador e escritor

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos, com 1.800 caracteres (já contando os espaços), para o e-mail opiniao@liberal.com.br.