25 de julho de 2021 Atualizado 17:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Patrik Camargo Neves

Hoje não tem coluna

Mesmo que para seguir em frente a gente seja obrigado a ignorar tanta coisa, fingir que não vê, que não é com a gente, que não é culpa nossa, não dá para ignorar 500 mil famílias de luto

Por Patrik Camargo Neves

21 jun 2021 às 12:38 • Última atualização 21 jun 2021 às 14:07

Hoje eu não vou escrever. Vou simplesmente dar um no show na coluna. Não quero falar de negócios, empreendedorismo, direito, estratégia. Porque tudo é menos importante quando vemos que o nosso gigantesco país, mais uma vez, está entre os piores do mundo em cuidar da sua gente. Que nós, como povo e sociedade, temos falhado recorrente e vergonhosamente em tantos aspectos que impactam na vida, na dignidade humana, nos sentimentos mais básicos de bem-estar.

São mais de 500 mil mortos pela Covid-19 em dezoito meses. Não tem como não estar de luto, com o coração apertado. Mesmo que para seguir em frente a gente seja obrigado a ignorar tanta coisa, fingir que não vê, que não é com a gente, que não é culpa nossa, não dá para ignorar 500 mil famílias de luto.

Não vou expor o que penso sobre quem é culpado aqui – este espaço não foi criado para falar de política e sociedade. Quem tiver interesse em saber o que eu penso sobre estes temas pode me seguir em outros espaços.

500 mil mortes pela Covid-19 – Foto: Arte de Alexandre Bassora

Hoje, eu simplesmente deixo para a semana que vem. Hoje, não dá para ter um pensamento otimista, falar sobre estratégias empresariais e jurídicas, porque está difícil engolir o fato de que não temos conseguido nos organizar como sociedade minimamente para sobreviver. E não estamos sobrevivendo, porque embora estejamos vivos e a maioria das pessoas que vão ler este texto não tenha perdido um ente querido, estamos falhando brutalmente no coletivo. Mais uma vez.

Este assunto é nosso, não deles. É nosso povo, nossa gente, não deles. E mesmo que eles estejam no poder ou apenas esperando uma oportunidade para voltar, mesmo que você se identifique mais com este ou aquele político, mesmo que você ache que seu papel é apenas votar e voltar a cuidar da sua vida, este assunto é seu. E meu. Não deles.

Essa semana eu me perdoo por não escrever. E espero que você também me perdoe e esteja aqui na semana que vem.

Patrik Camargo Neves

Advogado de Americana, especialista em direito empresarial, aborda o cotidiano e os desafios de empreender em textos às segundas