07 de agosto de 2020 Atualizado 09:58

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Histórias de Americana

Fazenda São Domingos

Por Elizabete Carla Guedes

09 dez 2019 às 09:29 • Última atualização 28 abr 2020 às 09:30

Em carta escrita por Domingos da Costa Machado, proprietário da fazenda São Domingos, encontra-se um relato que descreve parcialmente o cenário que compunha as paisagens de suas terras, como a localização, a natureza e o uso da mão-de-obra escravizada.

Destinada ao Mm. Sr. Comendador Barnabé Francisco Vás de Carvalhais, com quem Domingos havia contraído dívidas, fala não só do atraso no pagamento desta, mas traz uma riqueza de detalhes que resgata a memória das terras onde viria ser a vila operária de Carioba, local onde residiu a família Machado.

A casa sede citada é possivelmente a posterior residência do Comendador Franz Müller, quando sua família se muda para o bairro, no final de 1901.

A construção é descrita anos mais tarde nas memórias de Margareth Müller, filha de Franz, como sendo a “Casa Grande”, de arquitetura portuguesa, porém reformada com características alemãs por seu pai.

Segue abaixo a transcrição da carta, com sua linguagem própria da época:

“Recebi estimada carta de V.S. e nela me diz, de eu não ter participado de ter recebido a conta corrente da safra de quarenta e oito pa quarenta e nove não participei a V.S. por meu descuido.

O que V.S. me diz na carta da corte de tudo me lembra e muito nisto me tem encomendado o grande atraso que tenho sofrido com grande seca que tem avido e as grandes geadas que ouve meu sítio passava por viver de geada eu moro na beira do rio Piracicaba que é grande e no tempo do inverno a violenta serrassão e portanto é vão as canas viver de geada e com muitas secas tem fartado a cerrasão.

Eu tenho um lugar muito livre de geada mas ficam bastante longe da casa a onde tenho um cafezal e os primeiros que plantei já principião a dar frutos, e entre os mais velhos e novos, tenho plantado quarenta mil pés. Devo vender a demanda como tenho esperança e ide vender os escravos e mandar o dinheiro a V.S.ª Nesta ocasião tomo a liberdade de mandar dezesseis as de assiveira para V.Sª dar a seus pages. V.Sª perdoe o sempre.

Ei de estimar a boa saúde de V.S.ª para na posse desta dispor da vontade deste que preza o com estima.

De vosso amigo e servo Domingos da Costa Machado.

Campinas, 2 de dezembro de 1842”

*Elizabete Carla Guedes é membro do grupo Historiadores Independentes de Carioba, dedicado à pesquisa histórica sobre Americana

Historiadores de Carioba

Blog abastecido pelo grupo Historiadores Independentes de Carioba, que se dedica à pesquisa histórica sobre Americana.