11 de agosto de 2020 Atualizado 22:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Histórias de Americana

Delmira: história de uma americanense

Por Gabriela Simonetti Trevisan

04 jul 2019 às 09:21 • Última atualização 28 abr 2020 às 09:22

Delmira Marta de Oliveira foi uma importante professora na história de Americana. Nascida em 29 de julho de 1884, em Itapetininga, era irmã do também professor Silvino José de Oliveira.

A partir de jornais, vê-se que, em 1902, começa a carreira no Grupo Escolar de Limeira, mas, já em 1903, atua em Pirassununga, onde trabalha até 1908.

Delmira casou-se por volta de 1906 com Cândido Cruz, farmacêutico maranhense que se instalou na então Villa Americana e, depois, formou-se médico em São Paulo.

O casal morava em uma casa chamada de “Villa Delmira”, localizada onde atualmente funciona o Colégio D. Pedro II, no centro da cidade.

Em 1921, ambos protagonizam uma cena criminal na cidade: no dia 12 de fevereiro, Cândido, então subprefeito, é morto no comércio de Florindo Cibin pelo irmão de Delmira, Juquinha, com cinco tiros.

O acusado alegou que ele traía sua irmã com a esposa de seu também irmão Silvino José de Oliveira, a professora Olympia Barth de Oliveira, além de supostamente maltratar Delmira.

A viúva, por sua vez, dá seu depoimento sobre o caso e, de forma discreta, afirma que Cândido frequentava bastante a casa de Silvino e Olympia contra sua vontade, o que causava conflitos. Juquinha foi condenado a 6 anos de prisão, o máximo permitido naquele momento.

Nessa época, em 1921, Delmira é citada nos jornais como responsável pelos primeiros grupos escolares de Villa Americana.

Algum tempo depois, Delmira contrai segundas núpcias com Flávio Lopes, farmacêutico que atuou como vice-prefeito na emancipação de Americana, em 1924.

Delmira trabalhou ainda por muitos anos como professora: em 1935, é citada como docente da Escola Heitor Penteado, e, em 1949, já idosa, dirige a Escolinha Santa Maria, em Americana.

Delmira Marta de Oliveira falece em 14 de agosto de 1960, com 76 anos. Hoje, nome de uma escola estadual no bairro Mathiensen, é homenageada por uma vida de dedicação à educação, permeada de intrigantes histórias pessoais.

*Gabriela Simonetti Trevisan é membro do grupo Historiadores Independentes de Carioba, dedicado à pesquisa histórica sobre Americana

Historiadores de Carioba

Blog abastecido pelo grupo Historiadores Independentes de Carioba, que se dedica à pesquisa histórica sobre Americana.