30 de maio de 2020 Atualizado 19:31

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Editorial

Alerta permanente

Por Da Redação

19 Maio 2020 às 08:10

Quase dois meses após a confirmação do primeiro caso, Americana permanece sob uma “aparente tranquilidade” em relação ao novo coronavírus (Covid-19). No município, até esta segunda-feira, eram 66 casos confirmados e quatro mortes pela doença. Em média, 8 em cada 10 pessoas que contraíram o vírus já se curaram. A cidade ainda não tem registro de lotação de leitos.

Reportagem exclusiva do LIBERAL publicada neste domingo trouxe a avaliação de especialistas sobre o cenário do município frente à pandemia. As estatísticas apontam para uma circulação mais lenta do vírus em relação a outras localidades. O gráfico da evolução dos casos confirmados na cidade mostra uma curva neste sentido, que se intensificou em abril, mas está mais achatada em maio.

Especialistas atribuem a lenta circulação do vírus a pelo menos dois fatores, entre outros: isolamento social e baixa densidade populacional. Este último é praticamente inalterável, mas o primeiro aspecto requer atenção.

O empenho popular nas primeiras semanas após o decreto pode ter colaborado em grande parte para que os números na cidade estivessem em um patamar menos preocupante neste momento. O isolamento, entretanto, cai a cada semana enquanto as previsões para a circulação do vírus no Estado são as piores para os próximos dias. Especialistas já sugerem a adoção de lockdown caso o distanciamento social não volte a aumentar.

A aparente tranquilidade pode, brevemente, ser substituída por uma forte onda de contaminações caso a população e as autoridades comecem a acreditar que não há nada pior por aqui a acontecer. Um dos especialistas ouvidos pela reportagem, o infectologista Arnaldo Gouveia diz acreditar que o pior nem começou em Americana. Diante de cenários graves pelo Estado e incertos pela região, não há como não manter o sinal de alerta aceso. Esta pandemia ainda não passou.

O Liberal