18 de outubro de 2020 Atualizado 22:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Tarifa Social

Na RPT, 11,7 mil poderiam ter energia ‘de graça’

Estes consumidores poderiam deixar de pagar pelo consumo de energia por causa da pandemia, mas não estão inscritos na Tarifa Social

Por George Aravanis

31 Maio 2020 às 08:00 • Última atualização 31 Maio 2020 às 08:07

Nas cinco cidades da RPT (Região do Polo Têxtil), 11.718 consumidores poderiam deixar de pagar pelo consumo de energia elétrica por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), mas não estão inscritos na Tarifa Social, exigência para ter acesso ao benefício. Os dados são da concessionária CPFL Paulista. Outros 18.012 clientes já estão aptos à isenção.

De acordo com a Medida Provisória 950, do governo federal, quem consome até 220 kwh por mês e está inscrito na Tarifa Social tem desconto de 100% em suas contas de energia, exceto taxas e impostos, entre 1º de abril e 30 de junho.

Consumidores poderiam ter isenção em função da pandemia, mas não estão inscritos na Tarifa Social – Foto: Arquivo / O Liberal

Em Americana, 1.919 consumidores que se enquadram nas condições não fizeram a solicitação. Na região, a cidade com o maior número de potenciais contemplados é Sumaré: 4.557.

Para entrar na Tarifa Social como “consumidor de baixa renda”, o cliente, que pode representar uma pessoa ou uma família, precisa ter ganhos mensais per capita de, no máximo, meio salário mínimo e atender a pelo menos uma das condições estipuladas pelo programa.

O detalhamento pode ser consultado no site cpfl.com.br/baixarenda, o mesmo usado para fazer o cadastro para o benefício, ou pelo aplicativo CPFL Energia.

O levantamento foi feito pela CPFL por meio de cruzamento de dados internos com o CadÚnico do governo federal.

Podcast Além da Capa
O novo coronavírus representa um desafio para a estrutura de saúde de Americana, assim como outros municípios da RPT (Região do Polo Têxtil), mas não é o primeiro a ser encarado. H1N1, dengue, malária, febre maculosa. Outras doenças também modificaram rotinas, exigiram cuidados além do trivial – ainda que não tenha havido quarentena, como agora – e servem de experiência para traçar paralelos com o atual cenário. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com a repórter Marina Zanaki, que assina uma série de reportagens sobre outras epidemias em Americana.

Publicidade