30 de maio de 2024 Atualizado 00:00

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

‘Só faço isso’ e Papa-Léguas: as respostas de ministros após bronca de Lula

Por Agência Estado

23 de abril de 2024, às 16h35

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cobrou na segunda-feira, 22, mais empenho de seus principais ministros nas tratativas com o Congresso. A bronca foi dirigida ao vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) e aos ministros Fernando Haddad (Fazenda), Wellington Dias (Desenvolvimento Social) e Rui Costa (Casa Civil).

Alckmin, Haddad e Wellington Dias comentaram a declaração do presidente nas redes sociais e em entrevistas a jornalistas. Dos quatro membros do governo cobrados por Lula, o titular da Casa Civil foi o único que ainda não repercutiu a fala do chefe do Executivo.

A bronca ocorreu durante o lançamento do programa Acredita, iniciativa do governo federal para a renegociação de dívidas de pequenos empresários. O programa foi inaugurado por meio de medida provisória, um tipo de instrumento que exige aprovação do Legislativo para que a norma continue em vigor.

O governo federal teme a tramitação de uma “pauta-bomba” no Congresso, que pode impactar os cofres públicos, como a PEC do Quinquênio, que concede “bônus” a integrantes do Judiciário e do Ministério Público.

“Conversa com bancada A, com bancada B. É difícil, mas a gente não pode reclamar porque a política é exatamente assim. Ou você faz assim ou não entra na política”, sugeriu Lula durante o evento de lançamento do Acredita, no Palácio do Planalto.

‘Só faço isso da vida’, diz Haddad

Ao cobrar Fernando Haddad, Lula sugeriu que o ministro da Fazenda investisse mais tempo no diálogo com as bancadas do Congresso “ao invés de ler um livro”. Questionado sobre o tema, Haddad disse: “Eu só faço isso da vida (conversar com parlamentares)”.

‘Pé na tábua’, diz Alckmin, com meme do papa-léguas

O vice-presidente Geraldo Alckmin, que acumula o cargo de ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, reagiu à bronca com uma mensagem de humor publicada no X (antigo Twitter). “O presidente Lula pediu para acelerar. Pé na tábua!”, diz o meme, que exibe o rosto do vice-presidente em cima do personagem de desenho animado Papa-Léguas. O uso de montagens descontraídas é uma estratégia recorrente da equipe de gestão dos perfis de Alckmin nas redes sociais.

Na legenda da publicação, o ministro justificou a bronca aos membros da gestão. “Ele tem toda razão de cobrar de seu governo empenho para acelerar as negociações com o Congresso”, disse Alckmin.

Wellington Dias: ‘À disposição’

Wellington Dias disse à GloboNews estar “à disposição” para discutir o conteúdo da medida provisória do Acredita com os parlamentares. O ministro disse que o teor do programa está em “sintonia” com o Congresso.

Na manhã desta terça-feira, 23, durante um café com jornalistas no Planalto, o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação Social (Secom), afirmou que o presidente não estava emitindo uma reprimenda aos membros do governo. “Foi uma brincadeira, um recurso de retórica”, disse Pimenta.

Na sequência, Lula disse que é preciso ter cautela ao emitir declarações com essa, para não dar “margem” a outras interpretações. “Tudo que você falar pode virar manchete”, afirmou o presidente.

Publicidade