10 de maio de 2021 Atualizado 22:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Ciro critica PT veladamente, ataca Bolsonaro e prega nacional desenvolvimentismo

Por Agência Estado

01 Maio 2021 às 17:15 • Última atualização 01 Maio 2021 às 18:03

O ex-governador e potencial candidato ao Planalto do Ceará Ciro Gomes (PDT) aproveitou sua participação em evento promovido por centrais sindicais, neste sábado, dia 1º, para fazer críticas veladas ao PT e pregar a criação de um projeto nacional-desenvolvimentista – além de elevar o tom contra o presidente Jair Bolsonaro.

Para o pedetista, o governo atual é o resultado dos “sucessivos fracassos de modelo econômico, modelo político, e práticas morais” de gestões anteriores, que, segundo ele, “nos arrastaram para essa tragédia odienta chamada bolsonarismo”. O ex-governador cearense defendeu que a curto prazo, é preciso “usar os instrumentos democráticos para impor controle aos desmandos do atual governo”.

Ao citar as gestões anteriores a Bolsonaro, Ciro criticou o que chamou de escolha de continuidade do mesmo modelo econômico perpetuado pelos governantes do País, que, segundo ele, variavam apenas em “perfumaria” e “intensidade dos erros”. “Só sairemos desse círculo vicioso se construirmos juntos um novo processo nacional de desenvolvimento”, declarou Ciro.

Possível candidato para a presidência nas eleições de 2022, Ciro Gomes participou de encontro promovido por centrais sindicais, que contou com a presença do também presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) e do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), além de lideranças sindicais e de esquerda. Estão previstos nesta tarde ainda discursos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O evento é organizado pela CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Pública e CGTB. Este é o terceiro “1º de Maio Unitário” – como é chamado -, promovido pelas centrais. O primeiro, em 2019, foi realizado de forma presencial, já o segundo, no ano consecutivo, teve de adotar o formato virtual devido à primeira onda da pandemia de covid-19 no Brasil.

Publicidade